Opinião & Análise

Série

Coronavírus na China: uma análise sociológica preliminar

É possível discernir as particularidades de uma ditadura socialista digital, bem como um padrão diferente de valores

Crédito: Pixabay

Atualmente, a “síndrome respiratória aguda coronavírus 2” (SARS-CoV2) é o assunto do momento. O mundo todo está tomando medidas sérias na tentativa de controlar a infecção. Em 13.4.2020, 1.874.771 casos haviam sido confirmados em todo o mundo, 116.077 mortes e 435.332 infectados e já recuperados. Mas isto é apenas o início. O pico da pandemia está longe de ter sido atingido. Estamos todos à espera que as restrições à proximidade física entre as pessoas que foram postas em prática em muitos países produzam efeitos, juntamente com outras medidas de controle de infecção, e que se desenvolva o mais rapidamente possível uma vacina.

Até agora, apesar das dificuldades com o elevado número de casos não notificados, estima-se que a letalidade desta doença viral seja superior à dos vírus da gripe. Um estudo recente estima uma taxa de mortalidade (em relação aos casos confirmados) de 5% na província de Hubei e de 0,8% em toda a China (excluindo Hubei).

Em contrapartida, os surtos de gripe têm geralmente uma taxa de mortalidade de 0,1% a 0,2%. Nos casos chineses (ver Instituto alemão Robert Koch), o tempo médio desde o início da doença até à insuficiência pulmonar aguda foi de oito a nove dias. Cerca de 80% dos casos tiveram sintomas ligeiros a moderados e, em 6%, a evolução clínica foi crítica para a ameaça à vida (com insuficiência pulmonar, choque séptico ou falência de múltiplos órgãos). Este é um teste de stress para os sistemas de saúde em todo o mundo, e a expectativa é que apenas alguns o façam com êxito.

Uma análise inicial de 72.314 registos de pacientes na China com 44.672 casos confirmados de infecção, 16.188 casos suspeitos, 10.567 casos clinicamente diagnosticados e 889 casos assintomáticos mostrou que cerca de 87% dos casos confirmados se situavam na faixa etária dos 30-79 anos. Os mais jovens e as crianças estão claramente sub-representados em relação à sua proporção da população.

Embora em 81% dos casos tenha sido moderado o curso da infecção, registraram-se cerca de 1.023 mortes, o que corresponde a uma taxa de mortalidade de 2,3% em relação ao total de casos confirmados. Em seis semanas, o vírus propagou-se a 1.386 distritos e 31 províncias da China (ver Wu Z, McGoogan JM. 2020). O pico da curva epidémica na China – medido em termos de casos confirmados – foi atingido em 1 de fevereiro, e após essa data a tendência se estagnou. No final de março, foram infectados 2.971 profissionais de saúde na China, 21 dos quais morreram. É claro que não sabemos se estes dados são fidedignos, mas fornecem indicações iniciais sobre o curso, a incidência e a letalidade das infecções virais.

Na sua dinâmica de propagação, a pandemia mostra mais uma vez que as sociedades reagem a choques exógenos, tais como epidemias ou catástrofes naturais, de uma forma path-dependent, ou seja, de acordo com as suas possibilidades, recursos e ordens institucionais. Por outro lado, nem todas as sociedades estão a reinventar a luta contra as epidemias, mas estão antes a orientar-se para a difusão global de “modelos de proteção contra as infeções”. A crise do Coronavírus mostra como a rapidez e a natureza das reações nacionais e da sociedade civil variam em todo o mundo, desde o desrespeito às recomendações até o cumprimento do toque-de-recolher obrigatório. Ao mesmo tempo, porém, também é possível identificar uma corrente dominante de reações à crise a nível mundial.

Quem pensa que só a Alemanha desenvolveu uma “obsessão” pelo papel higiénico notará rapidamente que ela chegou também à Austrália e aos EUA e que mesmo no Japão, Hong Kong e Taiwan o papel higiénico passou períodos de escassez. Embora a China, a Coreia do Sul e Singapura sejam exceções, estas semelhanças podem ser observadas em outras áreas. Assim, de um lado encontramos numerosos processos de imitação na crise do coronavírus que, independentemente da sua racionalidade, generalizam um certo “padrão” de resposta ao COVID-19. Por outro lado, estes processos encontram tradições, valores e normas nos vários países, que conferem a este padrão global uma nuance e uma forma própria.

Assim, a China é um importante ponto de partida para este “padrão” globalmente generalizado no tratamento do SARS-CoV2, sendo o primeiro país onde a nova epidemia foi identificada. Ao mesmo tempo, a China, Singapura e a Coreia do Sul são considerados modelos de sucesso no controle das infecções. Na China, existem cerca de 1,4 bilhões de pessoas e 82.160 pessoas foram infectadas até à data de 13.04, 67.801 das quais só na província de Hubei, e 3.341 confirmaram a morte. Em termos de população, isto é muito menos do que em muitos outros países, incluindo a Alemanha. No entanto, a pergunta é: até que ponto a China é um “modelo” para combater a pandemia e como caracterizar o tratamento da doença até à data?

A primeira fase ou: Como tudo começou …

A pandemia da COVID 19 começou como uma pneumonia misteriosa em Wuhan, na China, em dezembro de 2019, e foi notificada ao Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) chinês, em 27 de dezembro, como uma doença suspeita de ser “endêmica”.

Em 30 de Dezembro, o Dr. Ai Feng, médico do Hospital Central de Wuhan, recebeu o relatório sobre a doença pulmonar. O relatório já continha um diagnóstico: coronavírus do tipo SARS. O médico fotografou o relatório e enviou-o a um colega e ex-aluno. Já nessa noite, o relatório se alastrou entre os médicos de Wuhan. Na véspera de Ano Novo, a autoridade municipal de saúde de Wuhan comunicou pela primeira vez que 27 pessoas tinham adoecido com pneumonia, cuja causa e curso não eram claros. No entanto, o tipo e o curso da pneumonia pareciam ser mais familiares do que se imaginava. Na experiência dos médicos tratando, lembrava muito a SARS.

Quelle: Wu Z, McGoogan JM. Características e Lições Importantes da Doença de Coronavírus 2019 (COVID-19) Surto na China: Resumo de um relatório de 72 314 Casos do Centro Chinês de Controlo e Prevenção de Doenças. JAMA. Publicado online em 24 de fevereiro de 2020. doi:10.1001/jama.2020.2648

Naquele instante, poucos na China faziam ideia do que estava por detrás da conversa sobre casos misteriosos de pneumonia, mas quase todos ainda tinham uma boa lembrança do que a SARS tinha significado. Naquela altura, o Governo de Wuhan não tinha feito nada para informar a população. Varreu os acontecimentos para debaixo do tapete, mas continuou a trabalhar para o esclarecimento dos casos em segundo plano.

Em 1 de janeiro de 2020, o mercado de peixe de Huanan, onde a maioria dos infectados trabalhava, foi fechado e completamente limpo. Mas as razões para tanto não foram ditas para a maioria dos trabalhadores, embora isso já suscitasse suspeitas. Aqueles que relataram mais sobre os acontecimentos foram repreendidos e obrigados a permanecer em silêncio.

Nessa primeira fase, o governo, com o envolvimento da polícia local, acusou os médicos de espalharem boatos infundados e obrigou-os – juntamente com o grupo WeChat – a desistirem. Até 20 de janeiro de 2020, o governo de Wuhan comunicou repetidamente à população que não havia transmissões significativas entre humanos nem infecções entre médicos e enfermeiros que tiveram contato próximo com pessoas doentes.

O governo já tinha comunicado a doença à OMS em 31 de dezembro de 2019 e em 3 de janeiro de 2020 anunciou aos EUA um relatório diário sobre o curso da epidemia. Em 9 de Janeiro, a OMS anunciou no Twitter que o vírus em Wuhan foi classificado como coronavírus (SARS-CoV2). Em contrapartida, a maioria dos chineses do continente não foram informados pelo governo ou pelos meios de comunicação social em tempo, ou de forma adequada.

A segunda fase: o regime contra-ataca

Para o Partido Comunista Chinês (CPC), este processo de politização da insatisfação já ameaçava dar problema. Para evitar mais perda de legitimidade, o governo central chinês introduziu muitas medidas radicais a partir de 20 de janeiro de 2020. Ao contrário de muitos países ocidentais, uma vez que já existia uma vasta experiência com a SARS, as medidas seguiram o repertório já estabelecido de controle de doenças e a via estabelecida de repressão sob uma ditadura socialista. Isto incluiu a construção imediata de um hospital de emergência com 1.000 camas no prazo de 8 dias.

Os altos funcionários que foram identificados como responsáveis pelo desastre foram demitidos. Os custos totais do tratamento da COVID 19 foram cobertos pelo Estado. Sob a liderança do governo central, a “Resposta de Primeiro Nível à Situação de Epidemia” teve início em 30 províncias da China, a partir de 23 de janeiro de 2020.

Isto fez a luta contra a COVID 19 a principal prioridade nacional. O recolher obrigatório e a suspensão do tráfego entre províncias, cidades e aldeias foram imediatamente estabelecidos a nível nacional. Todas as pessoas que tinham estado em Wuhan ou na província de Hubei foram localizadas, testadas e controladas no local. Até onde se sabe, estas medidas funcionaram muito bem e foram amplamente apoiadas pela população chinesa.

As reações da população chinesa

Ao contrário da Alemanha, por exemplo, a forma de pensar da população chinesa seguiu a desconfiança e ceticismo já firmemente estabelecidos quanto à veracidade das declarações do governo, bem como dos altos funcionários do partido. Por outro lado, o rápido estado de alarme e prudência basearam-se na experiência anterior com a SARS, que, em termos de relevância e extensão, não existiu nos países europeus.

A familiaridade com a SARS em 2003 fez com que a população chinesa sentisse muito medo desta nova epidemia. Com base no conhecimento dos meios de comunicação social estatais, os cidadãos sabiam muito bem que as boas notícias seriam mais frequentes do que as más, e que a sua confiabilidade era baixa. Em consequência, a avaliação dos riscos virais era muito mais elevada do que a veiculada pelos meios de comunicação social estatais. Quando a população foi finalmente informada do alcance da epidemia, os receios já eram muito maiores do que em outros países e foi feito o máximo para combater a propagação da SARS-CoV2.

No entanto, a desinformação e a tentativa de encobrir a endemia não foram esquecidas. A morte do Dr. Li Wenliang (umdos delatores do perigo apresentado pelo coronavírus), em 7 de fevereiro de 2020, realçou o desapontamento do povo chinês com esta política de informação governamental. Inúmeros chineses realizaram um funeral online para ele. Neste contexto, o líder do partido de Wuhan foi severamente criticado nas redes sociais a nível nacional quando disse que queria “treinar os residentes de toda a cidade no quesito ‘gratidão’, para que possam agradecer ao secretário-geral (do partido, Xi Jinping) e ao Partido Comunista Chinês, marchar passo à passo com o partido e espalhar energia positiva”.

A questão do cumprimento

A questão do cumprimento das medidas politicamente prescritas deu-se de forma diferente na China do que em outros países Ocidentais. A pressão normativa que pesava sobre cada indivíduo já era desproporcionalmente mais elevada do que em muitos países europeus quando o novo vírus se tornou conhecido. Mas também devido aos controles abrangentes e à ditadura digital na China, pode-se presumir até agora que o comportamento desconforme era menos frequente na China do que na Europa com as chamadas “festas do Corona” (festas organizadas em casa, clubes ou em lugares públicos, mesmo diante do regime de restrições relacionadas aos contatos sociais) .

1) Em primeiro lugar, a fim de aumentar a pressão normativa, houve um aumento pronunciado de naming and shaming, algo com que muitos países ocidentais não estão familiarizados. Exemplificando: foram colocados sinais vermelhos na porta das casas das pessoas infectadas e estes também foram identificados eletronicamente, podendo ser localizados na vizinhança.

2) Em segundo lugar, entraram igualmente em jogo sanções severas e medidas coercivas. Por exemplo, aqueles que se movimentavam em público sem uma máscara eram por vezes detidos, apesar de as máscaras serem escassas e nem sempre estarem disponíveis.

3) Em terceiro lugar, as possibilidades de vigilância digital foram alargadas.

Por exemplo, uma aplicação de Alipay, o “Código de Saúde de Hangzhou”, foi utilizada para garantir que nenhuma pessoa infectada (ou pessoas que tenham tido contato com pessoas infectadas) se deslocasse em espaços públicos. Qualquer pessoa que queira andar de ônibus, ainda hoje, deve mostrar ao motorista o seu código pessoal no telefone. Se o código for amarelo ou vermelho, a pessoa não está autorizada a andar de transporte público.

Hangzhou foi uma das primeiras cidades a implementar o novo programa denominado “Código da Saúde”. Os usuários devem fornecer não só o nome, número de identidade e endereço residencial, mas também dados sobre seu estado de saúde. Devem comunicar os locais onde estiveram nas últimas duas semanas. O próprio software acessa os dados de localização dos usuários, e este procedimento tornou-se agora uma obrigação de fato para os cidadãos chineses. Sem luz verde, terão negado o acesso a restaurantes, supermercados, ao trabalho e aos transportes públicos. Cerca de 200 cidades na China utilizam atualmente este software (ver Handelsblatt).

No entanto, mesmo na China, muitos desvios às regras por parte de empresas ou hospitais ocorreram, sobre os quais pouco foi relatado. Muitos deles revelaram-se social e organizacionalmente úteis na luta contra o vírus. Um bom exemplo disso é o abastecimento dos hospitais chineses com produtos de higiene e de controle de infecções. Os hospitais na China só são autorizados a obter todos estes produtos médicos através da Comissão de Saúde. Não estão autorizados a contatar diretamente fornecedores fora dos hospitais para adquirirem equipamento para os hospitais.

Mas muitos dos principais hospitais de Wuhan solicitaram doações de equipamentos de proteção (máscara, óculos de proteção, vestuário) diretamente no WeChat em 23 de janeiro, sem a autorização da Comissão de Saúde. Os pedidos foram recebidos com solidariedade de todo o mundo, e doações diretas, especialmente de chineses no estrangeiro, começaram a ser enviados. A forma de distribuição através da Cruz Vermelha chinesa também foi questionada. Muitas doações não chegaram ou não chegaram em tempo. Por esta razão, muitos doadores começaram a criar cadeias logísticas diretas, fora dos correios e das empresas de logística, a fim de evitar a Cruz Vermelha ou medidas administrativas desnecessárias. Como acontece frequentemente, estes desvios “necessários” de regras asseguraram um melhor funcionamento da organização e, por conseguinte, deram também uma importante contribuição para o controle das infecções nos hospitais da China.

Fonte: casos COVID-19 na República Popular da China, 10.2.2020, Wikimedia Commons

A terceira fase ou: o fim da pandemia?

Desde o final de março, o Governo chinês comunicou que já não existem novas infecções locais, mas apenas infecções “importadas”. Isto vem na sequência da exigência regulamentar de documentar a vitória socialista sobre o vírus e de relançar o crescimento econômico.

Aprender com o socialismo significa aprender a vencer, mesmo que se trate de uma pandemia perigosa. O mote emitido por Xi Xingping era muito claro e inequívoco. Os funcionários que agora relataram infecções locais foram demitidos. Todas as novas infecções devem provir de repatriados, que são então imediatamente colocados em quarentena. É verdade que o premier do conselho Chinês, Li Keqiang, apelou simultaneamente aos funcionários do partido para que não encobrissem quaisquer casos. Mas o anúncio do Presidente Xi Jinping de que tinha derrotado o coronavírus deixou as consequências esperadas.

O regresso ordenado ao crescimento econômico colocou os níveis mais baixos da administração sob enorme pressão. Resta saber se o vírus já é, realmente, passado na China. A revista crítica chinesa Caixin, por exemplo, afirma que vários casos assintomáticos continuam a aparecer diariamente em Wuhan.

Muitos peritos ocidentais partem do princípio de que o vírus irá, infelizmente, manter os chineses, e nós também, ocupados durante algum tempo. No entanto, medidas para normalizar a vida cotidiana na China estão sendo postas em marcha. A população sente desconfiança, uma vez que o medo de infecção ainda é grande. Embora se verifique atualmente uma retomada dos transportes públicos, as visitas a lanchonetes e restaurantes são ainda bastante escassas.

Esta situação não é alterada pelo fato de muitos prefeitos irem à estabelecimentos locais para demonstrar a inocuidade de tais visitas. Este “exibicionismo” de uma gestão de crise bem sucedida parece reforçar a desconfiança que existe atualmente. Mesmo que se esteja habituado à ideia de que o não pode ser também não é permitido ser, todos se mantêm muito cautelosos.

Nas três fases do tratamento da pandemia na gigante asiática, é evidente que a China – ao lado de Singapura e da Coreia do Sul – serve como “modelo” global para o controle da doença, mas que o tratamento da crise foi altamente path-dependent. É possível discernir as particularidades de uma ditadura socialista digital, bem como um padrão completamente diferente de normas, valores e formas de pensar.

Estas particularidades colocam em xeque a facilidade de transferência deste modelo e devem ser consideradas, se quisermos aprender com a China na luta contra a pandemia. Embora a China tenha agora a bondade de fornecer ajuda ao resto do mundo, a situação lá parece ainda estar muito longe de regressar à normalidade. É provável que a crise do Corona se torne também um ponto de virada histórico na China, e o caminho para os tempos pós-Corona continuará a ser muito tortuoso – como aqui.

————————————–

Fontes e referências

Novel, Coronavirus Pneumonia Emergency Response Epidemiology. “As características epidemiológicas de um surto de novas doenças do coronavírus de 2019 (COVID-19) na China”. Zhonghua liu xing bing xue za zhi= Zhonghua liuxingbingxue zazhi 41.2 (2020): 145.

Wu Z, McGoogan JM. Characteristics of and Important Lessons From the Coronavirus Disease 2019 (COVID-19) Outbreak in China: Resumo de um relatório de 72 314 Casos do Centro Chinês de Controlo e Prevenção de Doenças. JAMA. Publicado online em 24 de Fevereiro de 2020. doi:10.1001/jama.2020.2648

http://china.qianlong.com/2020/0331/3923344.shtml

https://www.rki.de/DE/Content/InfAZ/N/Neuartiges_Coronavirus/nCoV.html?cms_currnt=COVID-19+%28Coronavirus+SARS-CoV-2%29&cms_lv2=13490882&cms_box=1

https://www.handelsblatt.com/technik/digitale-revolution/digitale-revolution-chinas-code-system-wie-die-coronakrise-zu-noch-mehr-ueberwachung-fuehrte/25653166.html?ticket=ST-490785-vj3MlAqtbXXscoisdG9D-ap3

https://www.welt.de/politik/ausland/plus206866523/Coronakrise-Wie-China-die-Pandemie-fuer-Propaganda-nutzen-will.html

https://www.waz.de/politik/corona-krise-ist-die-nullinfektion-in-china-glaubhaft-id228786085.html

https://www.saarbruecker-zeitung.de/nachrichten/politik/ausland/corona-krise-das-maerchen-von-der-nullinfektion-in-china_aid-49755683

https://www.faz.net/aktuell/politik/ausland/china-in-zeiten-des-coronavirus-dankbarkeit-und-demut-16669718.html

https://www.tagesspiegel.de/politik/china-das-coronavirus-und-die-zensur-das-chinesische-krisenmanagement-zeigt-dass-die-kontrollwut-ueber-allem-steht/25570986.html

https://github.com/Pratitya/wuhan2020-timeline/blob/master/%E6%97%B6%E9%97%B4%E7% BA%BFTIMELINE.md