Ética JOTA

Bem-vindos à Ética JOTA, um conjunto de informações sobre os nossos princípios editoriais, código de ética, os termos de uso do site e a nossa política de privacidade.

Princípios editoriais

Utilidade

O JOTA utiliza as ferramentas tecnológicas disponíveis para identificar as necessidades reais das nossas diferentes audiências. Com isso, nossos esforços editoriais se concentram no que é mais útil para nossos públicos.

Transparência

O JOTA tem como missão promover a segurança jurídica e transparência do processo decisório do Estado brasileiro. Levamos aos nossos leitores informações exclusivamente públicas de forma a dar previsibilidade às decisões que afetarão a sociedade e a economia brasileira.

Precisão

O JOTA foca sua cobertura nos fatos relevantes do Judiciário, do Legislativo e do setor regulatório. Nossos públicos demandam informações específicas, aprofundadas e precisas. O JOTA, portanto, compreende que deve atender bem o nicho ao qual se propõe a servir, a partir da entrega de conteúdos cuidadosamente apurados e escritos com rigor técnico a fim de suprir as necessidades de leitores especializados.

Leitor no centro

O JOTA busca entregar para suas diferentes audiências informações jornalísticas em formato acessível e customizado. Nossas audiências têm demandas, rotinas e interesses distintos. Segmentamos nossas informações para entregar exatamente o que cada uma dessas audiências necessita, no formato preferido, no momento em que a informação é mais relevante.

Empatia

O JOTA valoriza o ato da escuta. Ouvimos e levamos em consideração o que nos dizem nossos usuários, fontes, fornecedores e colaboradores.

Colaboração

Cada um dos integrantes do nosso time contribui decisivamente para a manutenção da cultura de jornalismo que propomos. Acreditamos que a qualidade editorial do JOTA depende dos nossos colaboradores e do que somos capazes de construir juntos. Por isso, nos importamos com o bem-estar e o desenvolvimento profissional de todos os participantes do time JOTA.

Erros e correções

O JOTA corrige de forma clara os seus erros. As correções de erros factuais são publicadas de forma destacada no início dos textos que continham equívocos ou imprecisões, com indicação de data e horário da alteração. O leitor pode apontar erros encontrados por meio do email contato@jota.info. A mensagem será analisada o mais brevemente possível pela redação e a correção, se devida, será feita logo em seguida.

Código de ética

Produção de conteúdo

O compromisso fundamental do jornalista é com a verdade no relato dos fatos, por meio de reportagens, análises e artigos. O jornalista do JOTA deve pautar seu trabalho considerando a precisão da apuração de acontecimentos e sua correta divulgação. Diante de tamanha responsabilidade, é inerente à profissão que uma série de direitos e deveres seja respeitada.

É direito do jornalista, por exemplo, resguardar o sigilo da fonte, sob qualquer circunstância. Também é seu direito ter respeitada a autoria de seu trabalho em todas as suas formas.

Entre alguns deveres do jornalista, destacamos: lutar pela liberdade de pensamento e de expressão; defender o exercício da profissão de maneira livre e orientada pelos princípios editoriais do JOTA; respeitar a integridade, a intimidade, a privacidade, a honra e a imagem das fontes e dos profissionais com quem trabalha; defender os princípios constitucionais e legais, a democracia e a promoção dos direitos individuais e coletivos; produzir conteúdo que aumente a transparência dos diferentes poderes e contribua para um ambiente de negócios mais previsível.

No JOTA, esperamos que o jornalista se contraponha a qualquer tentativa de impor diretrizes contrárias à precisa apuração dos acontecimentos e à correta divulgação da informação; tentativas de impedir a manifestação de opiniões divergentes ou o livre debate de ideias; pedidos para expor pessoas ameaçadas, exploradas ou sob risco de vida. O JOTA também espera que seus profissionais nunca usem o jornalismo para incitar a violência, a intolerância, e o crime. O jornalista não deve usar de sua posição como jornalista para defender os interesses de qualquer instituição ou autoridade. Além disso, o jornalista é responsável pela informação que divulga, desde que seu trabalho não tenha sido alterado por terceiros.

Jornalistas do JOTA não podem divulgar informações visando seu próprio interesse pessoal ou buscando vantagem econômica. Também não devem divulgar informações quando as mesmas forem obtidas de maneira inadequada (uso de identidades falsas, câmeras escondidas ou microfones ocultos), salvo em casos de incontestável interesse público e quando esgotadas todas as outras possibilidades de apuração. Nesses casos, a decisão deve passar previamente pela direção da empresa. Além disso, no JOTA o jornalista não está autorizado a fazer “pretexting” e deve indicar a finalidade da apuração às fontes (publicação no site JOTA.info ou serviços JOTA Pro, por exemplo).

Todos esses direitos e obrigações se aplicam a apuração, edição, divulgação de informação e análises para todas as audiências do JOTA, incluindo o site do JOTA e os serviços do JOTA Pro. Os padrões éticos valem para todos os jornalistas da empresa, independentemente da audiência para a qual a informação é produzida.

Informação privilegiada

Os diretores e funcionários do JOTA entendem que, além de seguirem padrões éticos jornalísticos, devem conhecer e seguir a legislação sobre informação privilegiada (Lei nº 6.385, de 7 de dezembro de 1976 e a Instrução 358 da CVM e suas eventuais alterações). O JOTA não utiliza ou negocia informação relevante ainda não divulgada ao mercado, e da qual deva manter sigilo, capaz de propiciar, para si ou para outrem, vantagem indevida. Os diretores e funcionários do JOTA identificam quais informações são estratégicas e quais são públicas antes de divulgá-las aos clientes, com objetivo de evitar a propagação de informações sigilosas e que possam ser consideradas privilegiadas.

Confidencialidade

Os diretores e funcionários do JOTA se comprometem a manter sigilo sobre todas as informações não públicas (assuntos, materiais, informações, projetos, análises, estratégias e negócios da empresa que porventura venham a ter conhecimento), bem como dos relatórios gerados como produto de prestações de serviço.

Em alguns casos específicos, o JOTA pode decidir que o interesse público e jornalístico justificam a divulgação de informações sigilosas: nestes casos, a decisão deve passar previamente pela direção geral empresa e a publicação será feita primeiramente no site jota.info, sendo vedada a compartilhamento de qualquer informação sigilosa para terceiros antes da sua publicação no site do JOTA.

Conflitos de interesse

Os diretores e funcionários do JOTA têm a responsabilidade de notificar os seus clientes de qualquer conflito de interesses antes de começar a prestar serviços. O JOTA não utiliza presentes, refeições ou eventos de entretenimento para influenciar seus clientes ou suas fontes. O JOTA não permite o recebimento de presentes, refeições ou eventos de entretenimento para lhe influenciar. O JOTA respeita as leis anticorrupção e todas as demais normas e regulamentos.

Uso do off

O JOTA adota, como regra, a utilização de informações em on, obtidas de forma pública e de fontes indicadas nos textos publicados. Informações off-the-record devem ser exceção e sua veracidade precisa ser apurada no confronto com outras apurações. O uso de declarações entre aspas, mas sem a indicação precisa e aberta da fonte, deve se resumir a expressões que sejam úteis para o leitor compreender as circunstâncias dos fatos narrados. Acusações, insinuações ou críticas diretas a autoridades, instituições ou outras fontes em geral não devem ser publicadas em off e entre aspas.