Jotinhas

OAB

‘O Brasil viu a gravidade das declarações’, afirma Felipe Santa Cruz

Presidente da OAB diz que lamenta recentes falas de Bolsonaro relativizando o episódio

Felipe Santa Cruz
O presidente da OAB, Felipe Santa Cruz / Crédito: Tomaz Silva/Agência Brasil

O presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Felipe Santa Cruz, afirmou, nesta sexta-feira (2/8), que lamenta as recentes declarações do presidente da República, Jair Bolsonaro (PSL), relativizando os comentários feitos contra o seu pai, Fernando Santa Cruz, desaparecido em 1974.

“O Brasil viu a gravidade dessas declarações. Ele (Bolsonaro) diz que pode esclarecer, caso perguntado, sobre o futuro de meu pai. Eu digo que sim. Quero saber e as demais famílias com desaparecidos políticos também”, disse Santa Cruz em evento organizado pelo Instituto dos Advogados de São Paulo (IASP).

Bolsonaro afirmou hoje (2/8) que não falou “nada demais” ao se referir ao pai de Santa Cruz. No dia 29 de julho, o presidente da República criticou a atuação da OAB na investigação de Adélio Bispo, agressor de Bolsonaro ainda na campanha eleitoral de 2018. O presidente acrescentou, na ocasião, que pode explicar o desaparecimento do pai de Santa Cruz.

Sobre a decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luis Roberto Barroso para que o presidente da Republica preste esclarecimentos sobre o episódio, Santa Cruz afirmou que esperará as explicações antes de tomar alguma ação.

Ele acrescenta que teve o seu “quadro familiar atingido” pelas declarações de Bolsonaro. “Como pessoa pública e responsável por uma entidade com mais de um milhão de advogados, peço ao presidente que esclareça o que é necessário ao ministro Barroso. Assim, vamos tomar as medidas conforme os esclarecimentos dele. Não vou fazer disso um bate boca com o presidente da República”, afirmou.

Em relação aos comentários de Bolsonaro criticando a OAB por, supostamente, prejudicar a investigação de Adélio Bispo, Santa Cruz disse que o episódio representa uma incompreensão “grave” por parte de Bolsonaro.

“Antes de me atacar de forma cruel, tentando atingir o tema mais duro para mim, que é a memória do meu pai, ele começa o episódio falando sobre prerrogativas de advogados e, mais uma vez, divulgando notícias falsas”, afirmou. Segundo Santa Cruz, a OAB não impediu a perícia de Adélio Bispo.

“Existe uma prerrogativa de conversar em sigilo com seu advogado. É elementar da legislação e do direito de qualquer indivíduo. Lamento que esse episódio tenha desencadeado um ataque a mim, minha família e à memória do meu pai”, afirmou.

Santa Cruz confirmou que recebeu ameaças em redes sociais e já notificou a Policia Federal sobre a situação. “Não vi pessoalmente as ameaças. Sei que existem. Minha equipe identificou uma ameaça especificamente mais grave. Confio na Polícia Federal e sei que vão esclarecer se é uma loucura que falam nas redes sociais ou se é algo realmente relevante”, explicou.

Para ele, o episódio das ameaças em suas redes sociais e contra sua filha, Duda Santa Cruz, de 13 anos, o presidente da OAB separa “os democratas e os não democratas”. Ele acrescentou que também recebeu mensagens de solidariedade de pessoas de todos os pensamentos políticos.

Santa Cruz também comentou sobre as recentes mudanças feitas na cúpula da Comissão de Mortos e Desaparecidos. Para ele, conselhos são espaços de divergência. “É preocupante uma visão unilateral do governo. São conselhos onde é fundamental a participação da sociedade civil. Preencher esses conselhos com a opinião única e exclusiva daqueles que estão no poder é grave”, afirmou.

Em nota, a OAB informou que, na última segunda-feira (29/7), protocolou na Superintendência Regional da Polícia Federal no Distrito Federal duas notícias crime: uma por ameaças e ofensas e outra por fraude contra o presidente da Ordem.

A OAB destacou a manifestação de um usuário do Facebook que postou: “você não passa de comunista igual seu pai, achar um semi-deus pq andar de carro blindado, não esqueça que existe .50BMG e explosivo C-4”.

A nota informa que foi solicitada a abertura de inquérito policial para averiguar os fatos e, se constatada a prática de ilícito penal, o envio dos autos ao Ministério Público.


Faça o cadastro gratuito e leia até 10 matérias por mês. Faça uma assinatura e tenha acesso ilimitado agora

Cadastro Gratuito

Cadastre-se e leia 10 matérias/mês de graça e receba conteúdo especializado

Cadastro Gratuito