Do Supremo

STF

Jucá promete ao STF manter reajuste do Judiciário negociado por Dilma

Ministro do Planejamento diz que reajuste foi contabilizado na nova meta fiscal

Romero Jucá /

O ministro do planejamento, Romero Jucá, afirmou que o novo governo vai manter o projeto de lei que prevê o reajuste salarial dos servidores do Judiciário. A mudança estava sendo negociada com o governo da presidente afastada, Dilma Rousseff.

O Projeto de Lei 2648/15 do Supremo Tribunal Federal tramita em regime de urgência na Câmara dos Deputados e prevê o reajuste de 41,47% para os servidores. O aumento deve ser pago de forma escalonada, em oito parcelas, de janeiro de 2016 a julho de 2019.

Na noite desta quinta-feira (19/5), Jucá se reuniu com o presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Ricardo Lewandowski.

“Nós vamos atender efetivamente àquilo que foi pactuado, mesmo sendo em outro governo. A ideia é que a Câmara possa votar rapidamente a matéria, inclusive que já está com urgência. Portanto, eu defendo que os acordos firmados, independente da mudança de governo, sejam mantidos, porque os servidores e o Estado firmaram esse entendimento”, afirmou.

A proposta tem impacto orçamentário para 2016 de R$ 1,160 bilhão. Segundo Jucá, o reajuste já foi contabilizado na nova meta fiscal.

“Nós estamos fazendo a revisão da meta de déficit na próxima semana, mas esses recursos já estão na previsão e informei o presidente que isso já está calculado”, disse.

Segundo informações da Câmara, o vencimento básico dos cargos de analista, técnico e auxiliar judiciários terá aumento inicial de 1,5% até chegar a 12%. Já a Gratificação Judiciária, hoje correspondente a 90% do vencimento básico, chegará gradualmente a 140%, em julho de 2019.


Cadastre-se e leia 10 matérias/mês de graça e receba conteúdo especializado

Cadastro Gratuito