Eleições

Resposta pelo Twitter

Alvo de operação da PF, Ciro Gomes culpa Bolsonaro e chama presidente de ‘canalha’

Lula prestou solidariedade ao pré-candidato do PDT à Presidência e ao irmão dele Cid Gomes, ex-governador do Ceará

Ciro Gomes
Ciro Gomes, ex-governador do Ceará e ex-ministro / Crédito: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Alvo de operação da Polícia Federal deflagrada nesta quarta-feira (15/12), o pré-candidato do PDT à Presidência, Ciro Gomes, chamou o presidente Jair Bolsonaro de “canalha” e afirmou que “o braço do estado policialesco de Bolsonaro, que trata opositores como inimigos a serem destruídos fisicamente, levanta-se novamente” contra ele. Em postagens no Twitter, ele disse ainda que “a Polícia Federal de Bolsonaro está fazendo uma armação” para prejudicá-lo.

A PF cumpriu mandado de busca e apreensão nesta manhã contra Ciro no âmbito de uma investigação sobre supostas irregularidades em obras da ampliação da Arena Castelão, para a Copa do Mundo de 2014. Irmãos de Ciro, Cid Gomes – que é ex-governador do Ceará e, atualmente, senador – e Lúcio Gomes também são alvos.

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva se solidarizou com os irmãos Gomes. “Quero prestar minha solidariedade ao senador Cid Gomes e ao pré-candidato a presidente Ciro Gomes, que tiveram suas casas invadidas sem necessidade, sem serem intimados para depor e sem levar em conta a trajetória de vida idônea dos dois. Eles merecem ser respeitados”, escreveu nas redes sociais.

Ciro Gomes publicou uma série de mensagens no Twitter para falar sobre a operação. Em muitas delas, ligava a PF a Bolsonaro.  Em uma, disse que “o estado policial de Bolsonaro é uma ameaça à democracia e a todos os democratas”.
Agregador do JOTA, disponível para assinantes do JOTA PRO Poder, reúne dados de pesquisas eleitorais para determinar o cenário mais realista

Em outra mensagem, o pré-candidato lembrou que a PF do Ceará passou por mudanças. “Trocaram o delegado, o superintendente daqui. Como é que um fato de 2012, uma delação que acontece em 2017 sobre fatos que teriam acontecido e que não me envolve, porque o próprio delator disse que nunca falou comigo, como é que eu estou envolvido nisso? Qual é a explicação?”, indagou.

Em outra publicação, Ciro Gomes chama Bolsonaro de canalha: “Em tempos de um canalha como o Bolsonaro, a Polícia Federal veio na minha casa, nunca em 40 anos ninguém levantou uma suspeita”, escreveu, completando em outra mensagem: “Até esta manhã, eu imaginava que vivíamos, mesmo com todas imperfeições, em um pais democrático. Mas depois da Policia Federal subordinada a Bolsonaro, com ordem judicial abusiva de busca e apreensão, ter vindo a minha casa, não tenho mais dúvida de que Bolsonaro transformou o Brasil num Estado Policial que se oculta sob falsa capa de legalidade”.

Batizada de Colosseum (referência ao Coliseu, na Itália), a operação foi autorizada pela 32ª Vara da Justiça Federal do Ceará. Ao todo, 14 mandados de busca e apreensão contra alvos em Fortaleza, Meruoca e Juazeiro do Norte, no Ceará, e em São Paulo, Belo Horizonte e São Luís.