Saúde

Dengvaxia

MP arquiva investigação sobre vacinação contra a dengue no Paraná

Procedimento administrativo havia sido aberto após OMS, Anvisa e fabricante sugerirem restrição de público-alvo

vacina covid-19 vacina covid supenso como o estado pode obrigar vacinar ?
Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O promotor de Justiça do Ministério Público do Estado do Paraná, Marcelo Paulo Maggio, arquivou (íntegra) procedimento preparatório que investigava campanha de vacinação no Paraná com a Deigvaxia, droga da Sanofi que promete imunizar contra a dengue. Maggio afirma que a campanha “não apresentou impropriedades ou irregularidades técnicas a serem combatidas”.

A abertura de procedimento administrativo sobre o caso havia sido provocada por recomendações para que apenas pessoas que já foram infectadas recebessem a vacina. O alerta sobre restrição de público-alvo é de entidades como a Organização Mundial da Saúde (OMS), a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e a própria fabricante da vacina.

A OMS também sugere testes para garantir que apenas pacientes que já foram infectados sejam vacinados. O governo do Paraná, no entanto, afirma que o diagnóstico não é essencial. Em nota, a Secretaria de Saúde alega que escolheu regiões endêmicas para a campanha.

A Dengvaxia tem seu uso aprovado em 20 países. É a primeira vacina que ataca os quatro sorotipos da dengue. A droga foi registrada na Anvisa em 2015 e teve a bula alterada no final de 2017, após pedido da Sanofi.


Cadastre-se e leia 10 matérias/mês de graça e receba conteúdo especializado

Cadastro Gratuito