Saúde

Relatório JOTA PRO

Ministério da Saúde começa a planejar vacinação para 2022

Relatório do JOTA detalha o planejamento do Ministério da Saúde para a vacinação em 2022

Vacina da Pfizer - Crédito: Myke Sena/ MS

Enquanto trata da vacinação atual contra a Covid-19, o Ministério da Saúde decidiu iniciar também o planejamento do calendário para o próximo ano. Por ora, as apostas são a produção da Fiocruz a partir do IFA (ingrediente farmacêutico ativo) nacional e a Butanvac, do Instituto Butantan, além de um novo contrato com a Pfizer e da negociação com a Moderna.

A equipe do JOTA PRO Saúde preparou um relatório completo sobre o assunto e o consolidado, vacina por vacina, do andamento da imunização no Brasil.

Você pode acessar o relatório gratuitamente neste link.

A capacidade de produção da Fiocruz é em torno de 180 milhões de doses por ano, porém ainda não há um cronograma para 2022. O laboratório reduziu de 60 para 50 milhões as doses que serão produzidas ainda em 2021 com IFA nacional. O contrato com a AstraZeneca, para compra de 50 milhões de doses com insumos importados, ainda não foi assinado.

O ritmo de vacinação desacelerou nos últimos dias. A média móvel diária de pessoas que receberam a primeira dose caiu de 772.769, em 28 de maio, para 525.095, em 3 de junho. Já a média móvel diária da segunda dose no mesmo período passou de 216.855 para 157.795.

Até o fim de junho, a previsão é de entrega de 60 milhões de doses, perfazendo estoque de 164 milhões. Dessa previsão, 64% foram entregues ao governo federal, o equivalente a 105,5 milhões.

Apesar de autorizar a importação excepcional da Sputnik V e da Covaxin, a Anvisa limitou os quantitativos e estabeleceu uma série de condicionantes para os governadores e para o Ministério da Saúde, respectivamente. Apenas 928 mil doses da vacina russa, 3,5% das 26,5 milhões solicitadas pelos estados, poderão ser importadas. Em relação ao pedido feito pelo governo federal, o aval foi para 4 milhões dos 20 milhões de doses da vacina indiana contratadas.