Saúde

Anvisa

Global nega lotes fantasmas em contratos de R$ 58 mi com Ministério da Saúde

Fabricantes dizem que não produziram lotes de medicamentos para doenças raras indicados em ofertas da empresa

Divulgação/Ministério da Saúde

A Global Gestão em Saúde S. A. nega que tenha apresentados lotes fantasmas em ofertas de R$ 58 milhões ao Ministério da Saúde para compra de medicamentos para doenças raras. A empresa venceu editais para distribuição das drogas Aldurazyme, Fabrazyme, Myozyme (fabricadas pela Sanofi Genzyme) e Elaprase (da Shire).

Questionadas pelo JOTA, as fabricantes afirmaram que não produziram os lotes de números apresentados pela Global em tomadas de preço. A Shire e a Sanofi Genzyme foram as segundas colocadas nestas disputas.

A Global alega que o lote indicado nas propostas é diferente do número que deixou a fábrica. Trata-se de uma numeração própria, atribuída por distribuidores, segundo a empresa.

“Com certeza, dentro deste controle está o número de lote e validade originais da indústria que os produziu. Os lotes de fabricação serão confirmados no momento de embarque”, diz a Global.

A empresa também reconhece que não tinha a compra assegurada dos medicamentos antes de vencer o edital. Segundo a companhia, trata-se de procedimento comum. Ainda conforme a Global, os lotes indicados seriam de “compras a fazer”.

“É natural, por exemplo, que um mesmo lote fabricado em uma determinada planta industrial seja distribuído e possa chegar aos armazéns dos distribuidores em momentos diferentes e por fontes diferentes, tal como transportadoras. Com isso, agregando um número de controle próprio, a empresa pode ter acesso mais rápido à rastreabilidade do medicamento e assim identificá-lo. Isso, nem de longe, pode ser confundido com adulteração”, explica a Global.

Em um dos casos, a Global ofereceu preço 0,5% mais baixo que o da Sanofi Genzyme. A segunda colocada costumava vencer os contratos com o governo apresentando sempre o mesmo valor por frasco, fixado pela Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos (CMED). 

Licenças de importação liberadas

O Ministério da Saúde e a Global têm em mãos as licenças da Anvisa para importar Aldurazyme, Fabrazyme, Myozyme. O governo já autorizou o embarque das cargas.

A empresa correu o mundo para trazer as drogas de fornecedores da Suíça, Panamá e Turquia. Leia as íntegras dos pedidos de licenças enviados à Anvisa (parte 1, parte 2).

As licenças de importação foram liberadas pela Anvisa sem a exigência da Declaração do Detentor do Registro (DDR), por determinação da Justiça. Havia o risco de o presidente da autarquia ser preso se negasse a liberação da carga.

Modelo de negócio

A Global alega que não é uma distribuidora. Assim, afirma que não precisaria de documentos como Autorização de Funcionamento (AFE), concedido pela Anvisa, além da DDR.

A Global argumenta que atua no mercado de PBM (Pharmacy Benefit Management), intermediando negócios com empresas que teriam os registros sanitários exigidos.

O argumento não convenceu a procuradora da República no DF Luciana Loureiro Oliveira, que já propôs ação civil pública para desclassificar a empresa. “O modelo pode funcionar em outras áreas, na nossa visão. Mas não para a saúde. A empresa contratada tem de cumprir exigências da Anvisa”, afirmou Luciana.

O presidente da Anvisa, Jarbas Barbosa, disse que a Global “pode ser o que quiser”, desde que apresente documentos que comprovem a segurança na carga que será distribuída. “Senão eu abro um bar e venço uma licitação para distribuir medicamentos”, disse o presidente da autarquia.

Resumo dos casos envolvendo a Global

  • Aldurazyme, Fabrazyme, Myozyme: a Global Gestão em Saúde S. A. já recebeu R$ 20 milhões para a compra dos três medicamentos, conforme proposta aceita pelo governo. O Ministério da Saúde e a empresa têm as licenças de importação das drogas, liberadas pela Anvisa, mesmo apresentação da DDR, após desembargador do TRF1 citar possível prisão do presidente da autarquia. O Ministério Público pede anulação do contrato. Em paralelo, o governo fez uma compra tapa-buraco das drogas, desta vez com a Sanofi Genzyme.
  •  Elaprase: o governo fez uma compra de R$ 38,2 milhões do medicamento com a Global. O valor deveria ter sido adiantado à empresa, conforme proposta aceita pelo governo. A medida que está sendo cobrada pela contratada. A fabricante Shire pede na Justiça anulação do contrato. A compra está pendente por falta do documento de aval da fabricante. Assim como no caso anterior, o governo deve fechar com a fabricante uma compra tapa-buraco do medicamento.

Notas

íntegra da nota da Global

íntegra da nota da Shire

íntegra da nota da Sanofi Genzyme

Leia também

Contratada por R$ 84 mi pelo MS pode ter apresentado registro falso, diz Anvisa

Ricardo Barros faz cruzada contra exigência do próprio Ministério da Saúde

Ministro da Saúde reconhece ‘incoerência’ em editais de compra de medicamentos

‘Jeitinho’ para compra de medicamentos coloca Anvisa em risco, diz presidente

Para evitar prisão, Anvisa libera importação de R$ 20 mi em medicamentos


Faça o cadastro gratuito e leia até 10 matérias por mês. Faça uma assinatura e tenha acesso ilimitado agora

Cadastro Gratuito

Cadastre-se e leia 10 matérias/mês de graça e receba conteúdo especializado

Cadastro Gratuito