Saúde

rol da ANS

Rol da ANS: decisão no STJ ficará para 2022

Informação foi confirmada ao JOTA pela ministra Nancy Andrighi, que pediu vista do processo

rol da ANS
Vista externa da entrada principal do STJ. Crédito: Luís Dantas/Wikimedia Commons
logotipo em azul ciano do jota pro saúde

A continuação do julgamento que decidirá se o rol de procedimentos e eventos da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) é exemplificativo ou taxativo ficará para 2022.

A informação foi confirmada ao JOTA pela ministra do Superior Tribunal de Justiça (STJ) Nancy Andrighi, que está com pedido de vista do processo.

O caso é julgado na 2ª Seção do STJ, por meio do EREsp 1886929/SP e do EREsp 1889704/SP, ambos de relatoria do ministro Luis Felipe Salomão.

O julgamento começou no último dia 16 de setembro, com o voto do relator em defesa do rol taxativo, mas com excepcionalidades. Logo após o voto de Salomão, a ministra Nancy Andrighi pediu vista e até o momento não retornou o processo para a pauta.

JOTA tem feito uma cobertura intensiva do tema no JOTA PRO Saúde, solução corporativa que antecipa as principais decisões regulatórias na área da saúde. Conheça!

A 2ª Seção do STJ faz sua última reunião de 2021 nesta terça-feira (30/11). Com a confirmação da ministra Nancy de que ele não será pautado nesta última sessão, o caso só poderá ser retomado em 2022 e não tem previsão de data.

Ao votar, Salomão falou sobre a segurança das relações jurídicas e afirmou que o Judiciário possui um papel fundamental de promover uma interpretação justa e equilibrada da legislação, “sem sentimentalismos e ideias preconcebidas”. Seus argumentos foram fundamentalmente pautados na defesa da legislação que rege o setor suplementar, na legitimidade da ANS como reguladora, no equilíbrio econômico contratual, e na comprovação científica dos tratamentos de cobertura obrigatória.

Para o ministro Salomão, decisões administrativas ou judiciais à margem da lei podem agravar a situação financeira das operadoras de planos de saúde e, em última instância, afetar a própria confiança e expectativa dos consumidores, fazendo com que o problema deixe de ser só da operadora e passe a atingir toda a sociedade.