Saúde

MINISTÉRIO DA SAÚDE

Alagoas receberá piloto para informatização do SUS

Ideia é testar prontuário eletrônico e coletar dados. Programa em todo país custará R$ 4 bilhões, diz ministro

Foto: Pixabay

O Ministério da Saúde deve testar em Alagoas o plano de informatização do SUS. A ideia é implementar o prontuário eletrônico dos pacientes, além do Conjunto Mínimo de Dados (CMD), ferramenta usada para coletar informações sobre serviços prestados em todas as unidades de saúde.

O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta (DEM), disse ao JOTA que a pasta está acertando detalhes sobre “conectividade com eventuais pontos cegos por satélite” e sobre serviços de fibra óptica para fazer o piloto no estado.

Nos próximos meses, o ministro espera instalar uma sala de showroom em Brasília para realizar simulados e treinar a sua equipe. Ele estima que serão necessários até 45 dias de testes para levar o piloto a Alagoas.

A informatização foi assunto de reunião recente de Mandetta com o ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Marcos Pontes.

Em 2020, após validar o piloto, o ministro da Saúde diz que o programa será levado a todo o país.

Alagoas foi escolhido por ter baixa conectividade e ser um estado pequeno, disse Mandetta. “É um desafio. Vamos encontrar resistência das pessoas para digitação de processos. É um estado territorialmente pequeno, mas adensado.”

Outro fator para realizar o piloto em Alagoas é que o governador Renan Filho (MDB) cumpre o segundo mandato, o que inviabiliza que tente reeleição e “despolitiza o processo”, na opinião do ministro.

Contratação barrada

Na gestão de Ricardo Barros (PP), o TCU barrou contratação de serviços para informatização sob argumento de sobrepreço potencial de R$ 6 bilhões — o programa completo teria custo inicial de R$ 17,4 bilhões.

O plano atual agradou ao TCU, que vê menor margem para direcionamento de contratação, apurou o JOTA com fonte do tribunal. Mandetta disse que o custo total dos serviços será de R$ 4 bilhões.

Diferentemente do projeto de prontuário anterior, a ideia agora é que os gestores locais possam escolher um formato próprio, em vez de empresas credenciadas pelo ministério. A União deverá incentivar com recursos municípios que desejam usar sistema próprio.

O CMD previsto por Mandetta deve coletar informações sobre exames laboratoriais, medicamentos usados em consultas de atenção básica e de alta complexidade, além de alta hospitalar dos pacientes. “Com estes dados dentro do sistema a gente já vai ter um volume enorme de informações. Depois vai agregando as outras. A prioridade é grande”, disse Mandetta.

A leitura do tribunal é de que a versão de Barros criaria um monopólio e direcionaria as contratações. O modelo atual poderia ainda permitir que sistemas mais modernos fossem elaborados pelos próprios municípios.

Em reunião recente na Câmara, Barros afirmou que o valor apontado como potencial sobrepreço é subjetivo. Disse ainda que há “interesse econômico no volume de reclamações e objeções que acontecem no tribunal”. Segundo o ex-ministro, “o sistema quer sabotar a informatização do SUS”.


Faça o cadastro gratuito e leia até 10 matérias por mês. Faça uma assinatura e tenha acesso ilimitado agora

Cadastro Gratuito

Cadastre-se e leia 10 matérias/mês de graça e receba conteúdo especializado

Cadastro Gratuito