Análise

Análise do Risco Político

Deterioração da relação do Executivo com os demais Poderes foi intensa em 2021

Variável calculada pelo JOTA Labs mostra que relação acumulou um índice negativo de 104 pontos de 200 possíveis

crime de responsabilidade
O presidente do STF, Luiz Fux, e o presidente da República Jair Bolsonaro / Crédito: Marcos Corrêa/PR

A deterioração da relação do presidente Jair Bolsonaro com os demais Poderes foi mais acelerada em 2021 do que em anos anteriores. Essa piora pode ser vista em um gráfico exclusivo do JOTA com o índice de governabilidade, disponível gratuitamente no ebook “Risco Político 2021, do analista-chefe do JOTA em São Paulo, Fábio Zambeli.

O gráfico abaixo mostra que a relação de Bolsonaro com outros Poderes caiu 104 pontos de janeiro a dezembro. O cálculo foi feito com base nas variáveis do Risco Político analisadas por Fábio Zambeli ao longo de 200 dias do ano. A classificação pode ser positiva, neutra ou negativa. Para o cálculo do gráfico, as classificações positivas foram consideradas como 1 ponto positivo, as neutras como 0 e as negativas como 1 ponto negativo. Caso a relação fosse sempre positiva, a variável poderia subir 200 pontos, e se fosse sempre negativa teria caído 200 pontos, por exemplo.

Gráfico mostra como foi a relação de Bolsonaro com os Poderes ao longo de 2021

Diariamente, os assinantes do JOTA PRO Poder recebem alertas e panoramas políticos sobre o cenário político brasileiro e os bastidores dos Três Poderes. Com base nessa cobertura exclusiva, o JOTA criou uma retrospectiva do último ano para oferecer uma visão global de tudo que aconteceu em um dos anos mais atípicos da história recente do Brasil.

A publicação traz ainda os gráficos com as medições da relação de Bolsonaro este ano com governadores, a agenda do ministro Paulo Guedes, nas redes sociais e no mundo. Diariamente, Zambeli fez os diagnósticos dessas áreas, e os gráficos no ebook permitem ter a visão de como foram essas relações no ano.

Baixe gratuitamente o e-book “Risco Político 2021”

Se, em 2020, o Poder Legislativo foi o centro das atenções do presidente Jair Bolsonaro, em 2021, o Judiciário ocupou essa posição. Os constantes ataques do presidente ao Supremo Tribunal Federal (STF) e seus ministros garantiram tensão em alta voltagem para engajar os apoiadores na esfera digital.

A prisão em flagrante de Daniel Silveira, um deputado muito ativo nas redes bolsonaristas, e o pico de mortes da pandemia imprimiram maior velocidade aos ataques, que passaram a ser cirúrgicos, direcionados ao ministro Luís Roberto Barroso, também presidente do TSE, e ao ministro Alexandre de Moraes, relator do chamado inquérito das fake news no Supremo que investiga a participação de parlamentares e integrantes do governo na ação das milícias digitais.

Em abril, o STF devolveu a elegibilidade a Luiz Inácio Lula da Silva, que se consolidou como antagonista natural do governo e passou a disputar a narrativa das redes e das ruas com o presidente. Pressionado no TSE por julgamentos sobre a disputa de 2018, Bolsonaro voltou a defender o voto impresso e tentou demonstrar supostas falhas no sistema de urnas eletrônicas – nunca apresentadas –, com o objetivo de manter a alta cúpula do Judiciário sob permanente vigilância até o dia 7 de setembro.

Mas, depois de levar centenas de milhares às ruas, numa incontestável demonstração de vigor popular, Bolsonaro encerrou o último trimestre do ano mais capturado pelo sistema que ele diz combater nas lives e palanques e para o qual se curva nas notas oficiais.

O ano de 2022 será decisivo para sua empresa. Quer saber como agendar uma call com Fábio Zambeli para ter um cenário exclusivo para sua empresa? Entre em contato com o JOTA

O e-book “Risco Político 2021” permite ao leitor mergulhar nos bastidores dos Três Poderes, para compreender o “filme” da gestão de Jair Bolsonaro. Nosso trabalho consolida a movimentação das variáveis da governabilidade do ano, que monitoramos diariamente para nossos assinantes, com análise qualitativa agregada às ferramentas de dados do JOTA.

Ao longo de 2022, o Risco Político continuará ajudando o assinante do JOTA a construir as respostas para dúvidas tão essenciais para dar mais previsibilidade ao futuro do Brasil, nossa missão primordial.

Se você quer saber o que é preciso acompanhar, mês a mês em 2022, para a eleição mais importante pós- redemocratização no país, inscreva-se abaixo:

 

Fábio Zambeli fala sobre as variáveis analisadas no e-book. Assista: