Ataque à democracia

Soraya Thronicke pede CPI para investigar atos golpistas

Documento já conta com 20 assinaturas, incluindo a do líder do governo no Senado, Jaques Wagner

gospistas invadem congresso e senado em brasilia
Manifestantes invadem Congresso, STF e Palácio do Planalto / Crédito: Marcelo Camargo/Agência Brasil

A senadora Soraya Thronicke (União Brasil-MS) solicitou a abertura de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar os atos golpistas que depredaram os prédios do Congresso Nacional, do Supremo Tribunal Federal (STF) e do Palácio do Planalto neste domingo (8/1). O documento já conta com 20 assinaturas, incluindo a do líder do governo no Senado, Jaques Wagner (PT-BA). JOTA está acompanhando ao vivo os desdobramentos das invasões do Congresso, Senado e STF.

Durante o ato terrorista, os golpistas não encontraram nenhuma resistência policial e depredaram os prédios dos Três Poderes.

No documento, a senadora pede que se apure a responsabilidade pelos atos antidemocráticos e terroristas praticados pelos golpistas. Solicita a investigação de eventuais omissões cometidas por administradores públicos federais, estaduais e municipais, no controle da segurança no sábado (7/1) e domingo (8/1).

Ainda pretende investigar a existência de financiadores e difusores deste e outros
movimentos antidemocráticos e terroristas. Para que o pedido seja protocolado, é necessário a assinatura de 27 senadores. Em seguida, o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, deve analisar o requerimento.

Anteriormente, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou, em entrevista coletiva, “que houve falta de segurança” e decretou uma intervenção no Distrito Federal, na área da segurança pública, até o dia 31 de janeiro de 2023.

Já o ministro Alexandre de Moraes, do STF, determinou o afastamento do governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha (MDB), pelo prazo de 90 dias; e a prisão em flagrante dos golpistas pelos crimes de atos terroristas, associação criminosa e abolição violenta do Estado Democrático de Direito, golpe de Estado, ameaça, perseguição e incitação ao crime.