Congresso

Com 49 votos, Rodrigo Pacheco é reeleito presidente do Senado

Parlamentar mineiro venceu a disputa contra o senador Rogério Marinho (PL-RN), que obteve 32 votos

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco - Crédito: Jefferson Rudy/Agência Senado

Com 49 votos, o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), foi reeleito para comandar a Casa por mais um biênio. Ele venceu a disputa contra o senador Rogério Marinho (PL-RN), que obteve 32 votos. Não houve votos em branco. Na Câmara, Arthur Lira (PP-AL) foi reeleito presidente da Casa.

Pacheco era o favorito na disputa, embora nos últimos dias a candidatura de Marinho tivesse ganhado mais proeminência. O presidente reeleito do Senado contou com o apoio do governo Lula enquanto Marinho era o candidato dos bolsonaristas.

No discurso após a vitória, o presidente reeleito do Senado disse ser preciso nos unir pelo Brasil. Afirmou que “a polarização tóxica precisa ser erradicada no país” e que acontecimentos como os de 8 de janeiro, quando houve a invasão dos prédios dos Três Poderes, não podem e não vão se repetir. “Os brasileiros precisam voltar a divergir civilizadamente”, discursou. Pacheco disse ainda que pacificação não é se calar diante de atos antidemocráticos.

Em seu discurso antes do início da eleição, Pacheco pregou a “independência devida” em relação ao Executivo e defendeu soluções legislativas para conflitos de competência com o Judiciário. Falou ainda de um Senado sem “revanchismos”, porém capaz de se impor. “Um Senado que se subjuga é um Senado covarde. Não permitiremos. Nós devemos cumprir nosso papel de solucionar problemas através da nossa capacidade e dever de legislar”.

Ele apontou como prioridades a reforma tributária, o enxugamento da máquina pública e novas regras fiscais.

A eleição dos outros dez membros da Mesa Diretora ocorre às 10h de quinta-feira (2/2). São dois vice-presidentes, quatro secretários e quatro suplentes.

Sair da versão mobile