Legislativo

Legislativo

Em reta final de campanha, Lira sinaliza que pautará projetos sobre costumes

Lira se mostrou reticente quanto à instalação da CPI da pandemia e defendeu um novo código de processo eleitoral

Arthur Lira discursa em plenário
Deputado Arthur Lira (PP-AL), novo presidente da Câmara dos Deputados / Crédito: Luis Macedo/Câmara dos Deputados

O candidato à presidência da Câmara Arthur Lira (PP-AL) afinou nesta quarta-feira (27/1) o discurso com representantes da ala mais conservadora da Casa e sinalizou compromisso de pautar a chamada agenda de costumes a partir de fevereiro. 

“Ele reforçou que não vai ter dificuldade com nenhuma pauta (…) Falamos de posse de arma de fogo, homeschooling, mineração, terras indígenas, tudo isso foi tratado. De maneira geral, ele não falou especificamente sobre uma pauta. Ele afirmou que não haverá dificuldade de tratar de nenhuma pauta na Câmara dos Deputados”, disse o deputado Vitor Hugo (PSL-GO) após reunião da legenda com o candidato. 

Além de apresentar um discurso pró votação de temas que foram excluídos das deliberações de plenário em 2020. Lira mostrou determinação em barrar iniciativas políticas que busquem tumultuar os próximos dois anos de mandato do presidente Jair Bolsonaro. 

“Não é justo tensionar. Nós não temos uma receita de bolo. Você nem eu sabemos como vamos tratar [a pandemia]. Os países mais desenvolvidos do mundo estão com dificuldade. Tem países da Europa que estão no terceiro lockdown e com crise de gestão. Não é momento para divisão ou acotovelamento. Não é momento para que a gente tencione politicamente”, disse o progressista após reunião com a Frente Parlamentar contra Corrupção. 

Em outro gesto aos deputados que apoiam a pauta conservadora do presidente da República, , Lira se comprometeu a criar uma comissão para discutir um novo código de processo eleitoral. A decisão de Lira de criar o colegiado “agrada” o presidente e seus seguidores, uma vez que no debate sobre sua padronização e unificação de decisões da Justiça Eleitoral será possível discutir temas como a volta do voto impresso defendido por Bolsonaro.

“Os TREs funcionam com decisões diversas sobre o mesmo assunto. Então, o TRE de Alagoas tem que votar igual ao TRE de Pernambuco, que tem que decidir igual ao TRE do Ceará. Essa sistematização do processo eleitoral dará mais transparência e um rumo para que a política saiba se comportar e que aquele político que sair da posição, saiba que terá penalização e não ficar na subjetividade, resoluções e consultas que são feitas toda hora”, disse.

Os compromissos com a agenda de costumes foram bem recebidos pelos deputados. Após reunião com o PSL, onde também foi negociada a participação da legenda na Mesa Diretora do biênio 2021-2022 e no comando de uma das comissões permanentes, a expectativa de votos do partido para o progressista cresceu. O ex-líder do governo da Câmara Major Vitor Hugo (PSL-GO) estima que Lira pode conquistar até 50 votos na bancada.

“Nós temos certeza que vamos chegar próximo a 50, talvez até 50 deputados efetivamente votando no deputado Arthur Lira”, disse Vitor Hugo.


Cadastre-se e leia 10 matérias/mês de graça e receba conteúdo especializado

Cadastro Gratuito