Justiça

CNJ

Poliamor: CNJ discute reconhecimento de união estável com mais de duas pessoas

Noronha é contra porque ninguém é “obrigado a conviver com tolerância de atos cuja reprovação social é intensa”

O ministro João Otávio de Noronha Foto: Flickr/STJ

O Conselho Nacional de Justiça começou a discutir, nesta terça-feira (24/4), se cartórios podem registrar como união estável relações que envolvam mais de duas pessoas. Com esse julgamento, o CNJ irá orientar todos os tabelionatos do país sobre como se portar diante do chamado poliamor, ou seja, de pedidos para reconhecimento de famílias que sejam […]

Leia este texto gratuitamente

Cadastre-se e tenha acesso a dez conteúdos todo mês.

cadastre-se agora. é grátis!

Informações confiáveis, assertivas e úteis. ​Leia e entenda por que o JOTA ​foi eleito a melhor startup de informação do mundo.