Jotinhas

Flexibilização econômica

Coronavírus: Maio começa com flexibilizações pelos governos estaduais e municipais

Em algumas capitais, medidas liberam praias e até clubes, mas cautela mantém proibição a boates e eventos

Estados ampliam flexibilização econômica. SC e RJ liberam eventos corporativos. Foto: Ricardo Wolffenbuttel / Secom SC

A primeira semana de Maio confirma a tendência de flexibilização das medidas restritivas em todas as regiões do país. Apesar do número de casos, internações e óbitos ainda estarem em patamar elevado na maior parte dos estados e capitais, a estabilização dos índices, alcançada depois do lockdown do primeiro trimestre, impulsiona os gestores a manterem o processo de reabertura econômica.

No entanto, dessa vez é possível observar um pouco mais de cautela nas liberações em relação às medidas de flexibilização do fim do ano passado. A maior parte dos gestores estaduais está focando agora na reabertura do comércio e do setor de serviços e não liberou ainda a realização de eventos, festas ou o funcionamento de boates e estabelecimentos de lazer ou culturais. O toque de recolher noturno também continua valendo em alguns estados.

O governador do Piauí , Wellington Dias, que preside o Consórcio Nordeste e está à frente da coordenação da temática de vacina no Fórum Nacional de Governadores, destacou ao JOTA que as medidas adotadas até a semana da Páscoa e pós-Páscoa permitiram a queda na transmissibilidade do coronavírus, com a consequente melhora na ocupação de leitos de UTI e leitos clínicos na rede hospitalar, além de redução dos óbitos. Mas ressaltou que ainda há riscos.

“Com a redução é normal alguma flexibilização, mas estamos atentos e preocupados com a possibilidade de terceira onda e com atraso na vacinação, além de muitos obstáculos atrapalhando metas para mais vacinas, faltando segunda dose e pouca primeira dose.” disse o governador Wellington Dias.

O estado do Piauí prorrogou a suspensão de eventos culturais, atividades esportivas e sociais, bem como o funcionamento de boates, casas de shows e similares.  Mas os piauienses já estão liberados para ir aos estabelecimentos comerciais, com restrições de horários, bem como ficar em praças, praias e outros espaços públicos, desde que seguidas as recomendações sanitárias.  

O Ceará prorrogou as medidas restritivas com a liberação de algumas atividades econômicas e a Bahia manteve o toque de recolher noturno em todo o estado. Pernambuco manteve o comércio aberto, mas prorrogou a suspensão das cirurgias eletivas.

Em São Paulo, a chamada fase de transição foi prorrogada por duas semanas, com ampliação do horário para o comércio e serviços. Contudo, foi mantido o toque de recolher, ainda que por uma hora a menos. O temor de uma terceira onda foi atenuada pelo governo paulista devido à tendência de queda nos números. No entanto, a equipe não descartou completamente a possibilidade da nova onda e alertou que “todo cuidado é pouco”.

O temor mais próximo neste momento é com o Dia das Mães, que pode promover aglomerações entre familiares. Apesar das flexibilizações econômicas e do avanço da vacinação, os gestores alertam que ainda há riscos de regressão no cenário epidemiológico.

Em Minas Gerais, a região norte do estado regrediu para a onda vermelha, enquanto outras cinco avançaram para a amarela. Mas a Secretaria de Saúde do estado fez um apelo para que as pessoas tenham consciência e não agrupem diferentes grupos familiares no domingo.

Os únicos estados que autorizaram eventos foram Rio de Janeiro e Santa Catarina. No caso do Rio, estão liberados apenas eventos corporativos. E em SC, além dos corporativos, foi liberado liberado o uso dos espaços de casas noturnas, boates, casa de shows, pubs e similares para a realização de eventos sociais, com limitação de capacidade e outras restrições.

Capitais flexibilizam mais

As flexibilizações estão seguindo em ritmo um pouco mais acelerado nas capitais. Nesta sexta-feira (7/5), a prefeitura do Rio de Janeiro anunciou a abertura de casas de espetáculos e eventos, com restrições. A capital liberou ainda a realização de aulas em grupos nas academias e ampliou o horário de para restaurantes e o comércio em geral, entre outras medidas. Continuam proibidas boates, danceterias, rodas de samba e alguns tipos de festa.

“As medidas restritivas surtiram efeito. Estamos avançando na vacinação, mas é importante que as pessoas respeitem as medidas restritivas. Não é um liberou geral, não está liberado para lotação máxima”, alertou o prefeito Eduardo Paes.

E em Belo Horizonte, a prefeitura ampliou o horário do comércio dos serviços, que poderá funcionar inclusive aos domingos. Os clubes e feiras livres também foram autorizados a funcionar aos domingos na capital mineira.

Salvador ampliou o horário de funcionamento do comércio, inclusive nos feriados, e liberou o uso das praias, com restrições sanitárias. No entanto, a capital baiana prorrogou a proibição para eventos e shows.

Cuiabá foi outra capital que manteve a liberação das atividades econômicas, mas ainda não deu sinal verde para as casas de shows e estabelecimentos culturais, de lazer, nem para as atividades coletivas nos parques e outros espaços públicos municipais.

E na região Norte, a cidade de Manaus permitiu o acesso à praia de Ponta Negra, fechada desde o início do ano.  Palmas definiu novos horários de funcionamento para restaurantes, lojas de materiais de construção, salões de beleza, academias, comércio de rua e shoppings. O município autorizou também o retorno das atividades administrativas e dos profissionais docentes nas escolas públicas municipais e centros municipais de educação infantil.

Nesta semana, foram publicadas ainda medidas de retorno ao trabalho presencial no serviço público estadual ou municipal. Em alguns casos, como na Secretaria de Saúde do Espírito Santo, a retomada está condicionada à vacinação completa dos servidores contra a Covid.

As medidas mais relevantes dos estados e capitais podem ser acompanhadas diariamente no sistema Tracking, desenvolvido pelo Jota para monitorar as decisões mais importantes do país sobre a pandemia do coronavírus nos três níveis da federação.