Eleições

urnas eletrônicas

Presidente do TSE comunicou a colegas mensagem em tom de ameaça

Internauta recomendou que ministra fique atenta caso Jair Bolsonaro não seja eleito

Foto: Carlos Moura/Ascom/TSE

A presidente do TSE, Rosa Weber, informou nessa segunda-feira (15/10) aos colegas da Corte sobre a existência de uma mensagem recebida de um internauta questionando a lisura do processo eleitoral e que foi interpretada como uma ameaça à ministra.

Informalmente, a ministra também comentou o episódio com o ministro da Segurança Raul Jungmann, o diretor da Polícia Federal, Rogério Galloro, e também do secretário nacional de Segurança Pública, brigadeiro João Tadeu Fiorentini.

No TSE, ministros avaliaram que a mensagem era genérica, mas houve inclinação para que o caso seja investigado pela Polícia Federal.

A mensagem, revelada pelo jornal Folha de S.Paulo, sustenta que Jair Bolsonaro (PSL) já está eleito e que, se o resultado for diferente, haverá revolta popular. “A senhora vai ver o povo na rua e os caminhoneiros parando este Brasil até que tenha novas eleições e com voto impresso.”

A PF disse que ainda não há identificação do autor, mas que haverá uma resposta sobre o caso.

A lisura das urnas eletrônicas tem provocado discussões desde o início da campanha e chegou a ser incorporada ao discurso do presidenciável Jair Bolsonaro (PSL), que lidera as pesquisas de intenção de votos. Bolsonaro afirmou que não foi eleito em primeiro turno diante das incertezas do sistema.

“Vamos junto ao TSE exigir soluções para isso que aconteceu agora, e não foi pouca coisa, foi muita coisa. Tenha certeza: se esses problemas não tivessem ocorrido, e tivéssemos confiança no voto eletrônico, já teríamos o nome do futuro presidente da República decidido hoje”, afirmou Bolsonaro na época.

A presidente do TSE disse que não poderia impedir a manifestação do candidato. “Quando o TSE vai atuar? Ele irá atuar a partir das impugnações formais que eventualmente venham a ser feitas, e nessa hipótese nós iremos apurar com rigor”.

Em decisão na semana passada, o ministro Edson Fachin negou um mandado de segurança apresentado contra  Rosa Weber pela condução do processo eleitoral pelo sistema de votação eletrônico.

A ação foi proposta pela Associação Pátria Brasil. Além de apontar problemas processuais no caso,  Fachin ressaltou que desde 1997, o ordenamento jurídico prevê que a votação e a totalização dos votos serão levadas a efeito pelo sistema eletrônico e que está se cumprindo a regra legal, como aprovado pelo Congresso.


Faça o cadastro gratuito e leia até 10 matérias por mês. Faça uma assinatura e tenha acesso ilimitado agora

Cadastro Gratuito

Cadastre-se e leia 10 matérias/mês de graça e receba conteúdo especializado

Cadastro Gratuito