Carreira

Carreira

Os 10 livros essenciais para os advogados que lidam com recuperação de crédito

Setor de recuperação de crédito vem ganhando cada vez mais importância no mercado empresarial

recuperação de crédito - liquidação
Crédito: Pixabay

Diante do cenário econômico do país, empresas e escritórios de advocacia estão investindo cada vez mais no ramo da recuperação de crédito, visando a recuperação rápida e eficaz do seu crédito.

Críticas à legislação e ao processo judicial de cobrança (de crédito?) sempre foram realizadas pelos credores, motivo pelo qual os meios consensuais de solução dos litígios são sempre viabilizados neste segmento.

Sem esgotar o tema, ousamos sugerir aos advogados algumas boas práticas consagradas pelo segmento:

i) celeridade – evitando que o crédito se torne suscetível à fraude;

ii) segurança jurídica – para coibir as fraudes causo elas ocorram (não é raro que isso acontece);

iii) foco em soluções consensuais para resolução dos conflitos (mediação, conciliação e transação).

Lembrando sempre da advertência realizada pelo poeta mineiro Carlos Drummond de Andrade, em sua crônica intitulada “Vinte Livros na Ilha”[2], aproveitamos o ensejo para selecionar 10 obras essenciais aos advogados que atuam com Recuperação de Crédito:

1 – Manual da Execução, de Araken de Assis

Mesmo em sua vigésima edição pela editora Revista dos Tribunais, a obra continua sendo uma das mais importantes sobre o processo de execução no Brasil. O jurista gaúcho é considerado uma das maiores autoridades do processo civil brasileiro. Seu Manual da Execução é bem completo, tornando-se leitura indispensável.

2 – A Instrumentalidade do Processo, de Cândido Rangel Dinamarco

O livro trouxe um novo panorama à processualística brasileira, passando a concretizar o processo como instrumento do Direito material. Neste sentido, o operador do Direito que lida com recuperação financeira, deve sempre ter em mente os princípios e argumentos utilizados pelo professor Cândido Rangel Dinamarco

3 – Recuperação de Crédito, de Gilberto Gomes Bruschi

O livro é bem estruturado, moderno, contendo doutrina aplicada, dossiê legislativo, estratégia processual e jurisprudência aplicada. Apesar de não ter um capítulo reservado à ação de cobrança, busca e apreensão e reintegração de posse, o livro traz à tona temais atuais do processo civil no que tange aos instrumentos para recuperação de dívidas.

4 – Efetividade Do Processo E Técnica Processual, de José Roberto dos Santos Bedaque

Efetividade na recuperação do crédito exequendo é uma nobre característica do causídico que milita no setor. Deste modo, a obra do professor Bedaque não pode ser jamais esquecida.

5 – Manual de Execução Civil, de Marcelo Abelha

O Manual é moderno, completo e de fácil leitura. Contém decisões recentes do Superior Tribunal de Justiça sobre os temas ligados à execução. Para quem quer se atualizar na matéria, é leitura obrigatória.

6 – Processo de Execução. Parte Geral, de Teori Albino Zavascki

Ao lado do professor Araken, o saudoso ministro Teori Zavascki possui obra relevantíssima para os advogados que trabalham com o processo executivo. Seu sólido conhecimento jurídico contribui para auxiliar na melhor estratégia processual a ser traçada.

7 – Fraude contra credores, de Jorge Americano

Obra clássica, utilizada pelo Superior Tribunal de Justiça em diversos acórdãos sobre a matéria. O advogado deve ficar atento às praticas fraudatórias, que como consabido, são bastante comuns em cobranças de dívidas.

8 – Fraudes Patrimoniais e a Desconsideração da Personalidade Jurídica no Código de Processo Civil de 2015, de Gilberto Gomes Bruschi, Rita Dias Nolasco e Rodolfo Da Costa Manso Real Amadeo

As fraudes patrimoniais constituem um dos maiores cuidados na análise do advogado no que concerne a práticas estratégicas da recuperação de crédito. Assim, esta relevante obra auxilia o jurista no combate destas praticas.

9 – Negócio Jurídico. Existência, Validade e Eficácia, de Antônio Junqueira de Azevedo

O livro do jurista ribeirão-pretano, consagrado perante as diversas academias de Direito do Brasil, é leitura fundamental ao que atuam na contencioso cível, especialmente na análise dos direitos creditórios, cujos elementos do Direito Privado devem ser sempre destacados.

10 – Fraude de Execução, de Frederico Cais

Embora escrito na sua dissertação de mestrado apresentada perante a Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo em 2004, os conceitos dos institutos traçados pelo autor ainda permanecem rígidos, tornando-se consulta indispensável ao tema.

[1] Pós-graduado em Direito Civil e Processual Civil pela Escola Paulista de Direito. Bacharel em Direito pela Faculdade de Direito de São Bernardo do Campo. Advogado em São Paulo.

[2] Na crônica, Drummond questiona a dificuldade de se responder à velha pergunta formulada: “Se fosse obrigado a passar a seis meses numa ilha deserta, com direito a levar vinte livros, que obras escolheria?. Assim, o poeta indaga: Por que vinte livros, se um apenas de Dostoievski nos permite penetrar em outras almas, aclarar-lhe nos segredos e confrontá-los com os nossos? Um capítulo de À la Recherche du, sobre o sono de Albertina, por exemplo, concentra para os leitores avisados toda a melodia proustiana, esparsa em dezesseis desesperadores volumes, que, se levados para a ilha hipotética, apenas deixariam quatro lugares vagos para conter os mundos de Shakespeare, Goethe, Dante, Camões, Cervantes, sem nenhum espaço para Rabelais, Pascal, Stendhal, Tolstoi, o nosso Machado de Assis, os gregos veneráveis, os modernos Joyce, Faulkner e Kafka, Valéry e o próprio Gide. E onde ficariam esses volumes caros à nossa inteligência e ao nosso coração, que não consideramos parte de nossa livraria, com uma ficha e um número, porque são companheiros da hora íntima, depositários da nossa confidência: Confissions, de Rousseau, as Fleurs du Mal, de Baudelaire, o Adolphe, de Benjamin Constant, o Journal, de Jules Renard – quatro títulos ao acaso, reunidos ao sabor de uma preferência individual, nutrida do velho leite francês, e respeitadas todas as outras preferências? Isso demonstra que vinte livros são um número demasiado grande e demasiado pequeno, ao mesmo tempo”.


Cadastre-se e leia 10 matérias/mês de graça e receba conteúdo especializado

Cadastro Gratuito