Dados

Desestatização

Privatização dos Correios divide deputados: 51% apoiam e 45% rejeitam

Quando questionados sobre o apoio à privatização do Serpro, a maioria dos parlamentares é contra a medida

privatização dos Correios
Caixa de corrreio / Crédito: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Pouco mais da metade dos deputados federais são favoráveis à privatização dos Correios. Pesquisa parlamentar do JOTA mostrou que 51,8% dos parlamentares apoiam a desestatização da empresa pública — 45% dos deputados são contrários e 3,2% “nem contra nem a favor”.

Quando perguntados sobre a disposição para privatizar o Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro), 49,8% são contrários à desestatização, 44,8%, favoráveis, e 5,5% dizem ser “nem contra nem a favor”.

Os números fazem parte da mais recente pesquisa JOTA/Ibpad feita com deputados e divulgada na íntegra e de forma antecipada para clientes JOTA Pro.

A pesquisa parlamentar do JOTA mostra que os deputados federais têm visões distintas sobre a privatização de diferentes estatais.

A maioria é contra privatizar a Caixa, mas é favorável à desestatização do Banco do Brasil. Além disso, menos da metade dos deputados apoia a privatização da Petrobras. Nos próximos dias, o time JOTA Labs irá divulgar o apoio dos deputados à privatização da Eletrobras.

Privatização dos Correios

A maior proporção de favoráveis à privatização dos Correios está na base governista. Entre os deputados dos partidos da base, 69% são favoráveis, 28,1%, contrários, e 2,9% se declaram “nem contra nem a favor”.

Na oposição, apenas 3,9% se dizem favoráveis à desestatização da estatal de serviço postal, enquanto 92,3% são contrários — 3,8% se disseram “nem contra nem a favor”.

Já entre o grupo de deputados classificados como swing voters pelo JOTA, 71,4% são contrários a privatizar os Correios, 24,5%, a favor, e 4,1% “nem contra nem a favor”.

Serpro

No caso do Serpro, 49,8% dos deputados ouvidos são contrários à desestatização, 44,8%, favoráveis, e 5,5% dizem ser “nem contra nem a favor”. O apoio maior vem de parlamentares ligados ao governo: 58,8% dos deputados que compõem a base governista apoiam a privatização da estatal. Ao mesmo tempo, 36,7% rechaçam a hipótese e 4,5% se dizem “nem contra nem a favor”.

Na oposição, 89,5% rejeitam a privatização da estatal de processamento de dados, 7,7% são contra a medida e 3,8% se disseram “nem contra nem a favor”.

Já entre o grupo de deputados classificados como swing voters pelo JOTA, 67,3% são contrários a privatizar o Serpro, 21,7%, a favor, e 11%, “nem contra nem a favor”.

Pesquisa parlamentar

Em dezembro, foram ouvidos 155 parlamentares. A amostra foi estratificada por grupos de partidos (base, oposição e swing voters). O sorteio foi realizado antes da coleta e, posteriormente, o JOTA fez um modelo de pós-estratificação para garantir o balanceamento.

JOTA acredita que, em uma população pequena como a de 513 deputados, fazer uma amostragem por ponto de fluxo, pegando deputados dispostos a responder nos corredores da Câmara, insere vieses não amostrais nos resultados. Por isso, o time de dados utiliza uma metodologia própria de amostragem e estratificação.

A pesquisa parlamentar do JOTA mostrou 71% dos deputados acreditam numa aprovação da reforma tributária no primeiro semestre deste ano e também monitorou apoio de parlamentares a benefícios fiscais para determinas setores. Mais de 70% dos deputados se disseram a favor de benefícios fiscais para medicamentos e 54%, a planos de saúde.

Em outras áreas, a pesquisa parlamentar identificou que 64% dos parlamentares se declararam favoráveis a benefícios fiscais para operações com alimentos, 66%, a benefícios fiscais para o setor de saneamento básico, e 67% apoiam benefícios fiscais ao transporte público coletivo urbano. Além disso, 76% dos parlamentares são favoráveis a incentivos fiscais para o setor de educação.


Cadastre-se e leia 10 matérias/mês de graça e receba conteúdo especializado

Cadastro Gratuito