Pesquisas de opinião

Onde está a popularidade de Bolsonaro? Entenda a diferença entre institutos

Números atualizados do agregador de pesquisas do JOTA apontaram que a avaliação positiva do governo estava em 24,4%

bolsonaro
Presidente da República Jair Bolsonaro. Crédito: ImagoImages
logo do jota pro poder, na cor azul royal

Há duas semanas, o relatório “A Balança até 2022”, enviado a clientes do JOTA PRO Poder, afirmou que a popularidade do presidente Jair Bolsonaro se aproximou dos 20%, mas fim de ano costuma trazer melhoras. Na última sexta-feira (26/11), os números atualizados do agregador de pesquisas do JOTA apontaram que a avaliação positiva do governo estava em 24,4%, com um intervalo de credibilidade  de 95% de estar localizado entre 20,8% (limite inferior) e 28% (limite superior).

Já o índice negativo no agregador somou 53,3%, com intervalo entre 49,7% (limite inferior) e 56,9% (limite superior). O índice de avaliação neutra ou regular ficou em 19,2%, com intervalo entre 15,7% (limite inferior) e 22,9% (limite superior).  

Nesta segunda-feira (29/11), novo levantamento do Atlas (AtlasIntel) mostra que a avaliação positiva (bom ou ótimo) da gestão Bolsonaro soma 19% da população adulta. Esse número representa seu pior patamar de aprovação desde que o presidente iniciou o mandato, em janeiro de 2019. Do outro lado, 60% dos brasileiros rejeitam o trabalho do presidente, atribuindo notas negativas: ruim ou péssimo. Outros 20% classificam o desempenho de Bolsonaro como regular. 

O JOTA tem afirmado que, pelo menos até junho de 2022, a avaliação positiva de Bolsonaro é o grande preditor sobre seu potencial nas urnas. Além disso, usamos o patamar de 20% como uma linha de corte importante para a força do presidente na eleição do próximo ano. Como a base de dados do JOTA permite entender esses números e quais são as diferenças sistemáticas entre métodos de pesquisa?

É importante destacar que as pesquisas que aplicam técnicas de correção da amostra (pós-estratificação) são aquelas que indicam um patamar menor de avaliação positiva do governo. Tanto o Atlas quanto a Quaest utilizam essa metodologia, embora também utilizem métodos bastante diferentes para entrevistar os participantes. Empresas que empregam essa técnica têm medido a avaliação negativa bem mais alta do que a média das empresas, enquanto a avaliação positiva aparece abaixo dos 20%.

A pesquisa Atlas ouviu 4.921 pessoas de forma on-line (via convites randomizados), entre os dias 23 e 26 de novembro. A margem de erro é de um ponto percentual, para mais ou para menos, e índice de confiança é de 95%.

Assinantes do JOTA PRO Poder podem acompanhar a evolução dos cenários passo a passo com nossos analistas. Saiba mais!

Nas últimas duas semanas, mais de sete institutos publicaram pesquisas nacionais, quase sempre divergindo em relação aos números levantados. Qual é a mensagem que esse conjunto de pesquisas nos traz? No que elas convergem, e no que elas divergem?

Alguns números batem, outros nem tanto, mas, há pelo menos três semanas, nós temos chamado a atenção no relatório “A Balança“ que o índice de positivo de avaliação do governo de Jair Bolsonaro está cambaleante numa zona muito próxima dos 20%.

Para além dos números de popularidade e intenção eleitoral, nós também prestamos atenção a outras informações das pesquisas, como o método utilizado para selecionar e entrevistar os respondentes, o tamanho da amostra utilizada e se a empresa realiza algum procedimento de correção e pós-estratificação dos dados. 

Uma das figuras disponíveis para os assinantes apresenta os levantamentos realizados ao longo de 2021, considerando o índice de avaliação positiva do governo. A linha sólida é o resultado estimado pelo modelo estatístico de fusão de pesquisas desenvolvido pelo JOTA, enquanto que os pontos no gráfico representam os resultados das pesquisas individuais. Em destaque, as pesquisas conduzidas pelo Atlas e Quaest neste ano. Se você quer ter acesso à figura, fale com seu gerente de contas. 

No gráfico é possível notar que é a primeira vez que a pesquisa Atlas mede a avaliação positiva do governo abaixo dos 20 pontos percentuais, mas está no mesmo patamar do último levantamento realizado pela pesquisa Genial/Quaest, publicado na primeira semana de novembro, que também mediu a popularidade do governo em 19%. Esse mesmo valor também foi levantado pela pesquisa do instituto Vox Populi e encomendada pelo Partido dos Trabalhadores (PT) também no início deste mês.