Dados

Índice de governismo

Apoio ao governo Bolsonaro na Câmara cai 10 pontos desde a Previdência

Índice de Governismo criado pelo JOTA em 2018 permite comparação histórica entre governos

governo bolsonaro
Marcelo Camargo/Agência Brasil

Apesar de o o senso comum apontar para um aumento de apoio ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido) na Câmara dos Deputados, após acordo feito com o chamado centrão, o apoio ao governo de Bolsonaro na Câmara dos Deputados teve queda significativa de 10 pontos desde 2019, especialmente quando comparado ao momento antes da aprovação da reforma da Previdência.

As conclusões fazem parte do índice de governismo do JOTA, metodologia criada em 2018 pela equipe de cientistas de dados e que permite uma comparação histórica do apoio a todos os governos desde Fernando Henrique Cardoso.

500

Depois da aproximação com o bloco do centrão, passou-se a estima um maior apoio de deputados ao presidente na Casa.

De fato, partidos como PSD, PP e PL tiveram variação positiva no seu apoio – o que será fruto de uma análise própria. Mas, no geral, o índice de apoio ao governo atingiu 74,5% na última semana, contra um valor próximo a 85% em todo o ano de 2019. O maior grau de apoio a Bolsonaro na Câmara foi atingido próximo da aprovação da Previdência em primeiro turno, em julho do ano passado.

Nas últimas semanas, o índice de governismo tem registrado um pequeno aumento, mas ainda não quebrou a barreira dos 75%, o pior nível registrado desde o começo do governo Bolsonaro.

Para calcular o índice, a equipe do JOTA usa todas as votações com orientação da liderança do governo desde os anos 2000. Posteriormente, analisamos a proporção de votos por partido que seguem a orientação. Para evitar variações bruscas entre semanas, aplicamos uma média móvel.

Um dos desafios atuais é que a liderança do governo, sob Bolsonaro, faz menos orientações, quando comparados com outros períodos. Mesmo assim, o índice captou uma queda relevante em 2020 – como demonstra o gráfico acima, que é enviado periodicamente para assinantes JOTA PRO com direito ao serviço.

História

Além da comparação no próprio governo Bolsonaro, o método do JOTA permite a comparação entre todos os governos desde FHC. A série histórica possibilitar enxergar como o governismo tem um grau preditor relevante para aprovação de medidas importantes na Câmara.

Por exemplo, a aprovação das reformas da Previdência sob Lula e Bolsonaro aconteceram em momentos de pico do governismo para os dois presidentes.

Além disso, a aprovação do teto de gastos sob Michel Temer também aconteceu no momento mais alto de apoio ao então presidente.

Por outro lado, antes do impeachment ocorrer, a então presidente Dilma Rousseff viu uma enorme queda no seu índice de governismo, atingindo o pior nível já registrado por um presidente.