Marilda de Paula Silveira

Mestre e doutora em Direto Público pela UFMG. Professora de Direito Administrativo e Eleitoral do IDP/EDB e coordenadora acadêmica da pós-graduação em Direito Eleitoral da mesma instituição de ensino superior. Membro do IBRADE e ABRADEP. Pesquisadora líder do Observatório Eleitoral IDP/EDB e Pesquisadora membro do CEDAU/USP. Coordenadora da Transparência Eleitoral Regional Brasil. Advogada sócia da Silveira e Unes Advogados Associados.

Instituto Brasileiro de Segurança Jurídica: por mais previsibilidade e equilíbrio

IBSEJUR inicia nesta segunda suas atividades e lutará por segurança jurídica em todas as áreas, vertentes e dimensões

Crédito: Pixabay

Últimas Notícias

  1. Sessão plenária administrativa do TSE. Brasília-DF, 27/08/2019 Foto: Roberto Jayme/ Ascom /TSE

    Eleitoral

    As candidatas eleitas, apesar das candidaturas fictícias, também devem ser cassadas?

    TSE retoma julgamento em que se definirão consequências das candidaturas femininas fictícias (ou candidatas laranjas)

  2. Ministra Rosa Weber, PGR, Raquel Dodge, senadoras, deputadas e advogadas após sessão do TSE. Foto: Rita Polli / Procuradoria da Mulher do Senado
  3. Lula em Porto Alegre, antes de ser preso / Crédito: Ricardo Stuckert

    Direito Eleitoral

    A Constituição e o impedimento legal de um candidato à Presidência da República

    Como lidar com o que antecede o registro e a posição de Chefe de Governo e Chefe de Estado

  4. Antonio Cunha/ ASICS/TSE

    TSE

    A volta da conclusão que não foi: novas eleições, cassação e ADI 5525

    Solução que parece menos danosa é a que conclui pela realização de eleições suplementares somente após decisão do TSE

  5. Ambos já votaram na ação. Foto: Carlos Moura/SCO/STF
  6. e-Leitor

    Entre cassação e recursos, quem governa?

    O art. 224, § 3º, do Código Eleitoral e as Eleições Municipais de 2016

    ,

  7. Santinhos são jogados no chão de locais de votação no Recife (Antonio Cruz/Agência Brasil)
  8. Imagem: Pexels

    STF

    STF decide quem julga as contas, mas e a inelegibilidade?

    A inelegibilidade e o desafio de extrair se houve (ou não) ato doloso de improbidade numa análise de contas

  9. Foto: Roberto Jayme/ASICS/TSE

    e-Leitor

    Escolhas partidárias: autonomia, democracia e transição

    Como concretizar a democracia intrapartidária sem ultrapassar a autonomia dos partidos ou a reserva legal.

  10. Brasília- DF- Brasil- 02/02/2015- O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), José Antonio Dias Toffoli, abre o ano judiciário da Corte com a primeira sessão plenária de julgamentos de 2015 (José Cruz/Agência Brasil)

Recomendados

Justiça

Carreira

Tributário

Legislativo

Coberturas Especiais

Trabalho

Colunas

Artigos