Tributário

Tributos

TRF1 determina julgamento de ação que cobra R$ 98 milhões da Igreja Universal

1ª instância havia anulado ação do MPF, por entender que a procuradoria não tem competência tributária

igreja universal
Foto: Rafael Neddermeyer/ Fotos Públicas

O Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1) determinou, nesta segunda-feira (28/01), que a 13ª Vara de Brasília julgue cobrança tributária de R$ 98 milhões contra a Igreja Universal do Reino de Deus.

A ação foi proposta pelo Ministério Público Federal (MPF) em 2006 e havia sido extinta pela 13ª Vara, que considerou que a procuradoria não tinha competência para questionar matérias tributárias.

No julgamento no TRF1, no entanto, o relator do caso, desembargador Marcos Augusto de Souza, considerou que é sim cabível a ação do MPF, porque a discussão envolve defesa do patrimônio público. Por unanimidade, a turma concordou e votou por devolver o processo à primeira instância, para que o mérito seja julgado.

O caso

A discussão envolve tributos como PIS, Cofins e Imposto de Renda Pessoa Jurídica (IRPJ) referentes ao período entre 1991 e 1994. A exigência foi anulada administrativamente pelo Conselho de Contribuintes, atual Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf) em 1999, sob o fundamento de que a imunidade tributária é prevista em lei para templos religiosos.

Para a Igreja Universal, as decisões administrativas encerram a discussão, provando que é constitucional a imunidade de tributos.

A procuradoria, porém, diz que o caso envolve desvio de finalidade de atividades religiosas, porque houve captação de recursos e transferência para o patrimônio pessoal dos dirigentes e empresas comerciais coligadas por meio de contratos simulados.

A ação também busca afastar a decadência de cobranças tributárias relativas ao período de janeiro a junho de 1992. Discordando do posicionamento da esfera administrativa em relação ao ponto o MPF defendeu na Justiça que o prazo decadencial, em se tratando de lançamento por declaração, deveria ser contado a partir de 1° de janeiro de 1993.

Sobre a decisão desta segunda-feira, a defesa da Igreja Universal disse que vai estudar formas de recorrer da decisão. O MPF não quis comentar.


Faça o cadastro gratuito e leia até 10 matérias por mês. Faça uma assinatura e tenha acesso ilimitado agora

Cadastro Gratuito

Cadastre-se e leia 10 matérias/mês de graça e receba conteúdo especializado

Cadastro Gratuito