Mercado

INDICAÇÃO

Alexandre Rangel defende atuação da CVM para democratizar acesso ao mercado

Advogado foi aprovado pela CAE do Senado por 13 votos a 2

alexandre rangel
Edilson Rodrigues/Agência Senado Fonte: Agência Senado

O advogado Alexandre Costa Rangel, indicado pelo presidente Jair Bolsonaro à diretoria da Comissão de Valores Mobiliários (CVM), defendeu ao Senado que a autarquia reguladora do mercado de capitais se paute para democratizar o acesso ao mercado, tanto de investidores quanto de emissores.

Rangel foi indicado à vaga do ex-diretor Carlos Rebello à CVM em abril, por sugestão do ex-secretário especial de Paulo Guedes Salim Mattar. Como a pandemia atrasou os trabalhos do Senado, ele só foi sabatinado nesta terça-feira (20/10). Na CVM, será diretor até 31 de dezembro de 2024.

Aos senadores, Rangel disse que a agenda de democratização e desburocratização do mercado de capitais será ainda mais importante nos próximos anos dado o momento de aquecimento do mercado, com uma “verdadeira explosão de pessoas físicas, um apetite do investidor médio e de varejo brasileiro com a bolsa de valores mobiliários”.

Esse movimento, defendeu, também deve se pautar no lado das empresas emissoras. “Há ainda um difícil acesso ao mercado por parte das empresas pequenas e médias. Importante falar de um movimento local, eu diria, brasileiro, por conta basicamente do fenômeno das taxas de juros, em termos nominais, em torno de 2% hoje, mas em termos reais, juros, na verdade, negativos, comparativamente.”

“Você tirando os custos diretos, indiretos, impostos acaba quase que empurrando a poupança e os investidores em geral para ativos mais sofisticados e ativos um pouco mais estruturados e, portanto, mais arriscados talvez”, completou Rangel.

Nesse sentido, Rangel citou a pauta da atual gestão da CVM, de redução de custos de observância, além do Sandbox Regulatório, que prevê a entrada de novos players no mercado em um regime experimental.

Carreira

Formado em Direito na UERJ, o advogado tem atuação focada na indústria de fundos de investimento. Ele foi professor substituto de Direito Societário e Mercado de Capitais na PUC-Rio.

Sócio fundador do Costa Rangel Advogados, ele trabalhou também no Chediak Advogados, banca especializada em mercado de capitais. Essa será sua segunda passagem pela CVM, já que Rangel foi assessor da ex-diretora Norma Parente, de 2002 a 2004, além de ter sido assessor no Conselho de Recursos do Sistema Financeiro Nacional (CRSFN).


Cadastre-se e leia 10 matérias/mês de graça e receba conteúdo especializado

Cadastro Gratuito