Jurídico de Saias

Jurídico de Saias

Bem-vindo(a)s à coluna do Jurídico de Saias no JOTA!

Novo espaço trará muito debate, questionamento e uma forma plural de pensar e de enxergar a realidade

Imagem: Pixabay

Antes que você pense “mais um artigo falando sobre feminismo, direitos das mulheres, empoderamento, essas coisas”, deixe-me contar um pouquinho mais sobre o nosso grupo.

O Jurídico de Saias foi criado em São Paulo em meados de 2009, por um grupo de mulheres com cargos de liderança na área jurídica de grandes empresas. Elas perceberam que, apesar de representarem quase 50% dos inscritos na OAB, ainda podiam ser consideradas uma exceção dentro dos departamentos jurídicos.

E assim, com muita vontade de mudar esta realidade e sob a liderança da Josie Jardim – uma advogada brilhante, questionadora por natureza e eleita cinco vezes a advogada mais admirada do Brasil pela Análise Editorial, começamos a nossa história. Neste ano, tive a felicidade de ser contemplada com a liderança do grupo, para que a Josie pudesse seguir com os seus projetos.

Nestes últimos dez anos, muita coisa aconteceu. De um grupo inicial de 20, 30 advogadas, passamos para mais de 1600 em todo o Brasil. Organizamos cursos, palestras, seminários, tanto exclusivo para as Saias, como abertos. Divulgamos vagas. Fazemos mentoring, coach, networking. Recomendamos umas às outras e somos um grupo muito unido. Trabalhamos todos os dias para uma melhor capacitação de todas. Assim, quando surgir uma oportunidade bacana na empresa em que trabalham (ou fora dela), elas terão oportunidade de concorrer de maneira igual com qualquer candidato.

E por que precisamos de toda essa rede de apoio?

Porque infelizmente não é fácil. Parece ser, mas não é. Outro dia li uma reportagem interessante. Era o depoimento do Bruno Gagliasso sobre como a perspectiva dele mudou depois de ter tido dois filhos negros e os cuidados adicionais que uma pessoa negra deveria ter em nosso país. Um deles era não sair correndo ao lado de uma viatura policial. Por um momento, parei, e me peguei pensando em como aquilo fazia sentido, mas eu, como uma pessoa branca que sou, nunca tinha pensado nisto. 

A verdade é que, infelizmente, temos uma situação de machismo estrutural em nossa sociedade. Já perdi as contas das vezes em que recebi piadinhas que degradam as mulheres – pasmem – inclusive em grupo de mulheres.

Sem perceber, repetimos padrões de comportamento que nos foram passados aos longos destes anos. E sair da zona de conforto, da bolha em que fomos criados, pensar diferente, levar em consideração outras perspectivas, dá trabalho. 

No Jurídico de Saias, trabalhamos para quebrar estes paradigmas. Se uma de nós não se sente capaz de assumir uma posição de liderança porque tem um filho pequeno em casa, estamos ali para apoiar. Indicamos escola em tempo integral, lugar que vende comida, babá, auxiliar, aconselhamos como pedir ajuda para a rede de contato.

Se a advogada voltou de licença maternidade e foi demitida logo em seguida, fazemos coach, revisamos currículo, divulgamos vagas, a indicamos para os headhunters que nos procuram. Se não conseguimos ampliar a nossa rede de contatos através dos famosos happy hours durante a semana ou daquele joguinho com os colegas de trabalho, organizamos encontros virtuais, corridas aos finais de semana em que a família possa participar, cafés da manhã. Trabalhamos juntas para apoiar o crescimento das nossas integrantes.

Da mesma forma, também sabemos que é nossa responsabilidade impactar a coletividade de uma maneira positiva. Com todo esse grupo de mulheres, sempre somos contatados por empresas querendo fazer parcerias com o Saias. Para tanto, exigimos que pelo menos 50% dos palestrantes sejam mulheres.

Da mesma forma, questionamos quando vemos palestras ou mesas de debates formados somente por homens. Ou parceiros e prestadores sem mulheres no corpo diretivo. Temos tantas profissionais inteligentes em nosso grupo, com altíssimo nível técnico e excelente capacitação, que nos surpreende que ainda tenhamos debates sem uma presença feminina. 

Enfim, meus caros amigos, este é um resumo da história do Jurídico de Saias. E o que vocês podem esperar desta coluna nos próximos meses é muito debate, questionamento e uma forma plural de pensar e de enxergar a realidade. Preparem-se para sentirem até certo incômodo, relativamente comum quando saímos da nossa zona de conforto, mas que um dia nos levará a um novo patamar de sociedade.


Cadastre-se e leia 10 matérias/mês de graça e receba conteúdo especializado

Cadastro Gratuito