Jazz

Jazz

Um tributo sem precedentes à obra de Frank Kimbrough (1956-2020)

Newvelle lança seleção de 61 composições do celebrado jazzman com conjuntos diversos

Frank-Kimbrough
Frank Kimbrough / Crédito: Divulgação

O pianista-compositor Frank Kimbrough morreu de repente, aos 64 anos, em dezembro do ano passado. Mestre da afamada Juillard School of Music, ele virou estrela do jazz lá na década de 1990, ao lado do baixista Ben Allison, do trompetista Ron Horton e do saxofonista Ted Nash, num conjunto que – como escreveu o respeitado crítico Bob Blumenthal – criou “alguns dos mais originais e estimulantes sons ouvidos nos círculos jazzísticos de Nova York”. Pelo menos até por volta de 2001, quando combo gravou o antológico álbum Strange City/The Herbie Nichols Project (Palmetto Records).

Por mais de 25 anos Kimmbrough foi pianista da premiadíssima orquestra de Maria Schneider, presente em oito dos nove álbuns gravados pela compositora no seu selo ArtistShare, incluindo os aclamados Concert in the Garden (2004), Sky Blue (2007) e Data Lords (2020). E teve tempo, condições, engenho e arte para gravar, em 2018, todas as 70 composições de Thelonious Monk (1917-1982), numa coleção de seis CDs para o selo Sunnyside.

Agora, num in memoriam repentino, vem de ser anunciado um registro extravagante, assim apregoado: “A Newvelle Recordorgulha-se de lançar uma coleção de 61 composições do artista de jazz e educador Frank Kimbrough, falecido em dezembro de 2020. São tributos de 67 músicos que com ele tocaram e de amigos de gerações diversas. KIMBROUGH [título do ‘álbum’] foi gravado em três dias e meio em Nova York, em maio último, quando o mundo musical começava a despertar novamente”.

Desse incrível empreendimento participaram tanto jazzmen de primeira linha como alunos do professor da Julliard, em conjuntos diversos. Para se ter uma ideia dos notáveis músicos que estiveram no estúdio citem-se: o trompetista Dave Douglas; os saxofonistas Joe Lovano, Ted Nash e Alexa Tarantino; os pianistas Fred Hersch e CraigTaborn; o guitarrista Ben Monder.

Numa seleção só da primeira metade do repertório de KIMBROUGH vale destacar as seguintes faixas, com seus respectivos intérpretes: C minor waltz (5m), Alexa Tarantino (sax alto), Rufus Reid (baixo), Matt Wilson (bateria); Elegy for P.M. (4m35), Joe Lovano (sax tenor), Ben Monder (guitarra), Craig Taborn (piano); Hope (6m40), Ted Nash (sax tenor), Gary Versace (piano), Ben Wolfe (baixo), Jeff Hirschfield (bateria); Helix (6m), Joe Lovano (sax tenor), Donny McCaslin (sax tenor), Ben Monder (guitarra), John Herbert (baixo), Clarence Penn (bateria); Capricorn lady (8m35), Ted Nash (sax soprano) e Gary Versace (piano); 727 (4m50), Dave Douglas (trompete), Joe Lovano (sax tenor), Craig Harris (piano), John Herbert (baixo), Clarence Penn (bateria).

Uma única composição de Frank Kimbrough, For Duke, mereceu duas interpretações na incrível sessão in memoriam do selo Newvelle. A primeira (4m15) por um quarteto liderado pelo saxofonista (alto) Steve Wilson; a segunda (4m55) com vocal de Olivia Chindamo, mais o sax tenor de Evan Harris e seção rítmica.

(Ouvir as faixas em: https://newvellerecords.bandcamp.com/album/kimbrough)