Jazz

Jazz

John Scofield recria em trio peças de Steve Swallow

Em Swallow Tales, baterista Bill Stewart acompanha o guitarrista e o baixista

John Scofield
John Sofield / Crédito: Divulgação

A carreira de John Scofield, hoje com 68 anos, atingiu o ponto culminante em 2017, quando conquistou o ambicionado Grammy na categoria “melhor álbum de jazz instrumental” com o CD Country for Old Men (Impulse). No ano anterior, na mesma eleição, o celebrado guitarrista levara para casa idêntico “gramofone de ouro” por conta do álbum Past and Presen(Impulse), que marcou o seu reencontro com o grande saxofonista Joe Lovano.

Agora, neste início de junho, ele reaparece nas lojas e plataformas virtuais com a edição, pelo selo ECM, de Swallow Tales, uma seleção de nove faixas gravadas, em março de 2019, num estúdio de Nova York, com dois outros músicos excepcionais: Steve Swallow (baixo) e Bill Sewart (bateria).

A apresentação desse refinado recital pela etiqueta de Manfred Eicher é, como de hábito, concisa em termos de forma e essência, e aqui vai transcrita:

“ O guitarrista John Scofield celebra a música do seu amigo e mentor Steve Swallow numa gravação desinibida, animada, feita num só dia – em estilo old school como diz Scofield, embora reconhecendo que foram necessários mais de 40 anos de preparação para isso.

John era um estudante de 20 anos em Berklee quando conheceu o baixista, e com ele começou a tocar. Scofield diz ‘amar’ essas canções, ao falar das composições de Swallow aqui exploradas – incluindo clássicos como Hullo Bolinas (4m10), Eiderdown (7m10), Falling grace (5m25) e Radio (4m20), além de obras menos conhecidas.

A empatia entre Scofield e Swallow é evidente em cada momento. E John diz: ‘Às vezes, quando tocamos é como se fosse uma enorme guitarra, a parte do baixo e a minha parte juntas’. Na bateria, Bill Stewart, um associado íntimo de Scofield desde o início dos anos 90, está sempre alerta a todas as implicações da interação”.

(Samples deste álbum em: https://www.challengerecords.com/products/15844488306593 )

Jimmy Cobb (1929-2020)

O baterista Jimmy Cobb morreu no último domingo (24//5), em Nova York, aos 91 anos, de câncer no pulmão, Canonizado em vida, ele se projetou como o drummer preferido de Miles Davis no período 1957-1963, incluindo-se portanto na sua discografia o álbum Kind of Blue (Columbia, 1959), considerado um dos mais importantes e influentes discos do jazz moderno (os outros músicos eram os saxofonistas John Coltrane e Cannonball Adderley, o pianista Bill Evans e o baixista Paul Chambers).

Em 2009, Jimmy Cobb foi sagrado Jazz Master pela National Endowment for the Arts (NEA), ao lado de três outros lendários jazzmen: o saxofonista Lee Konitz (1927-2020), o gaitista Toots Thielemans (1922-2016) e o guitarrista George Benson – este ainda ativo aos 77 anos. .

O último álbum que o baterista gravou como líder foi bem recente: This I Dig of You, do selo Smoke Sessions, registro de fevereiro do ano passado feito no Sear Sound Studio, em Nova York. Os outros músicos do quarteto eram Peter Bernstein (guitarra), Harold Mabern (piano) e John Webber (baixo).


Cadastre-se e leia 10 matérias/mês de graça e receba conteúdo especializado

Cadastro Gratuito