Jazz

Jazz

Christian McBride Big Band revive Jimmy Smith e Wes Montgomery

Joey DeFrancesco e Mark Whitfield fazem os “papeis” do organista e do guitarrista

Christian Mcbride Big Band
Christian Mcbride Big Band / Crédito: Reprodução YouTube

Na cena jazzística, lá pelo meio da década de 1960, Jimmy Smith (1928-2005) era venerado como o grão-mestre do órgão (Hammond-B3) e a guitarra de Wes Montgomery (1923-1968) qualificada, no mínimo, de “incrível”. A dupla gravou para a Verve dois álbuns preciosos: The Dynamic Duo (1966) e Further Adventures of Jimmy and Wes (1968) – este último contando, em duas faixas, com a participação de uma orquestra, com arranjos do também magistral Oliver Nelson (1932-75).

Pois bem. Tais registros fonográficos marcariam para sempre, desde os tempos da high school, os ouvidos e as almas de dois afamados jazzmen, hoje quarentões: o baixista, compositor, e chefe de orquestra (Grammy winner) Christian McBride; o mágico do Hammond-B3 (e eventual trompetista) Joey DeFrancesco.

No recém-lançado álbum intitulado For Jimmy,Wes and Oliver (Mack Avenue Records) a Christian McBride Big Band (14 instrumentos de sopro) mais o quarteto formado pelo líder, por De Francesco, Mark Whitfield (guitarra) e Quincy Philips (bateria) interpretam um repertório de 10 temas. Na verdade, o quarteto dispensa a companhia da orquestra em quatro peças: Up jumped Spring (8m15). The very thought of you (8m35), I want to talk about you (7m20) e Don is (6m30).

Fica claro, portanto, que o líder pretendeu dar um realce todo especial ao principal herdeiro de Jimmy “Hammond” Smith. E McBride relembra: “Joey é, sem dúvida, meu amigo mais antigo em termos de música. Conhecemo-nos no curso secundário, tocando na Music School Jazz Ensemble, na Filadélfia. Gravamos alguma coisa aqui e ali no passar dos anos. Mas nunca tínhamos feito um álbum inteiro. E nos pareceu lógico saudar aqueles dois discos que ouvimos muito quando éramos ainda garotos“. 

Mesmo nas faixas restantes a big band de McBride atua como um “cenário” – efetivo, mas discreto – para a atuação dos principais solistas, que recriam, com engenho e arte, temática direta ou indiretamente ligada aos canonizados Jimmy Smith (DeFrancesco) e Wes Montgomery (Mark Whitfeld). contrabaixista-líder não deixa de exibir a sua maestria, sempre presente, sempre discreto.

Os pontos altos da setlist da big band como um todo são os dois primeiros e os dois últimos números: Night train (5m20) e Road song (6m40); Medgar Ever’s blues (7m15) e Pie blues (9m55).

(Samples deste álbum: https://soulbrother.com/shop/for-jimmy-wes-and-oliver/)

Ouça Medgar Ever’s Blues:


Cadastre-se e leia 10 matérias/mês de graça e receba conteúdo especializado

Cadastro Gratuito