Jazz

Jazz

Brad Mehldau: Suite April 2020

Pianista-compositor grava álbum-solo confinado na Holanda

Brad Mehldau
Brad Mehldau / Crédito: Divulgação

Brad Mehldau passou a ser devidamente apreciado ainda nos seus “twenties” quando, em 1997, o selo Warner lançou o primeiro dos cinco volumes da série The Art of the Trio, associação do magistral pianista com Larry Grenadier (baixo) e Jorge Rossy (bateria). Depois de mais de 30 discos, dos quais 19 para a seleta etiqueta Nonesuch – incluindo até uma seleção de prelúdios e fugas de O Cravo Bem-Temperado de Bach – ele mais do que merece, no jazz contemporâneo, a mesma reverência devida a Keith Jarrett e a Fred Hersch.

Mehldau é casado com a vocalista holandesa Fleurine Verloop (profissionalmente apenas Fleurine), e eles mantém residências em Nova York e Amsterdam. A pandemia gerada pelo Covid-19 fez com que o casal e seus filhos ficassem confinados na capital holandesa. Mas o pianista-compositor não ficou inerte em termos de atividade criativa. Escreveu 12 peças curtas durante o mês de abril, e resolveu gravá-las (solo, é claro) num estúdio de Amsterdam. Acrescentou três standards à setlist do “recital”, que a Nonesuch intitulou de Suite: April: 2020, e já está disponível em plataformas digitais como a Spotify.

Com a palavra o próprio Brad Mehldau: “Suite: April 2020 é um instantâneo musical da vida naquele mês, neste mundo onde todos nos encontramos. Tentei retratar no piano alguns sentimentos e experiências que são, ao mesmo tempo, novos e comuns para muitos de nós. Em Keeping distance (2m50), por exemplo, tentei delinear a experiência do distanciamento social de duas pessoas, representada pelas mãos esquerda e direita – ou seja, como elas são separadas de modo não natural, embora continuem ligadas de alguma maneira inexplicável e, talvez, luminosa. Apesar de o Covid-19 estar sendo tão difícil para nós, há também momentos de revelação ao longo do caminho”.

O pianista-compositor anota ainda que o confinamento obrigatório em Amsterdam tem sido também uma rara oportunidade de conexão “mais profunda” com a mulher e os três filhos, aos quais dedica, especialmente, três peças da suíte: In the kitchen (2m55), Family harmony (2m55) e Lullaby (3m15).

Quanto aos standards que selecionou, ele comenta que Don’t let it bring you down (2m05), de Neil Young, é uma canção mais do que adequada para o momento, já que a letra recomenda: “Don’t let it bring you down/It’s only castles burning”. New York State of mind (3m05), por sua vez, é um tema de Billy Joel que cativa o pianista desde quando era criançae uma “carta de amor a uma cidade que foi minha casa durante anos, e da qual agora estou bem longe”. Jerome Kern é lembrado em Look for the silver lining (3m30).

edição em vinil do álbum April 2020, para colecionadores, foi limitada a mil cópias, assinadas por Mehldau (100 dólares cada, dos quais 90 serão doados ao fundo de emergência Covid-19 da Jazz Foundation of America). A versão standard em CD só estará disponível em setembro.

Apresentação do álbum:

(Samples em: https://music.apple.com/us/album/suite-april-2020/1513932235 )

Kiko Continentino “Live”

O brilhante pianista Kiko Continentino enviou para esta coluna a seguinte mensagem:

Diante dessa pandemia terrível que ceifou o trabalho dos artistas do jazz e profissionais liberais, precisamos nos reinventar para que a música ao vivo não se torne ‘música morta, de morte bem morrida’. Músicos incluídos nesse funeral. É nisso que tenho trabalhado, incansavelmente.

Estou realizando shows ao vivo, diretamente da sala da minha casa. Toda segunda-feira às 19 horas, transmito pelo meu facebook e pelo instagram essas apresentações – no formato ‘piano jazz solo pocket concert”.


Cadastre-se e leia 10 matérias/mês de graça e receba conteúdo especializado

Cadastro Gratuito