Jazz

Jazz

A Americana na concepção do trio Maret-Frisell-Collin

Gaitista, guitarrista e pianista interpretam nove peças em novo álbum da ACT

Grégoire Maret, Bill Frisell e Romain Collin / Crédito: Reprodução Facebook

O termo Americana é usado para denominar aquele amálgama musical formado pela confluência de tradições populares norte-americanas tais como a música country (“caipira”), o gospel, o blues, o rhythm and blues e o rock and roll primitivo. A matéria-prima da Americana, quase sempre no seu modo mais dolente, não é incomum no jazz, e sempre teve cultores tão respeitáveis como o grande contrabaixista Charlie Haden (1937-2014) e o guitarrista Bill Frisell.

Pois o reverenciado mestre das seis cordas está de volta às plataformas virtuais num álbum da gravadora alemã ACT intitulado, exatamente, Americana. E não como líder, mas na condição de sideman do suíço Grégoire Maret, virtuose da gaita (ou harmônica), que tem ainda a seu lado o pianista francês Romain Collin

Diga-se, en passant, que Maret e Collin – este formado no Berklee College de Boston, e com carreira em ascensão – fixaram-se nos Estados Unidos, e vivem em Nova York, onde gravaram as nove faixas do novo CD.

Maret assim comenta o conteúdo de Americana: “Romain e eu temos tocado juntos em muitas ocasiões, e a nossa profunda ligação musical inspirou este álbum. Pensamos num CD que fosse sentido como um livro de canções, e achamos que Bill Frisell seria o complemento perfeito para o projeto. Reservamos um dia no estúdio para gravar composições minhas, de Bill e de Romain, assim como refazer umas poucas canções conhecidas. O grupo pareceu respirar como um organismo, e este disco foi criado muito espontaneamente. A maioria das faixas foi completada num único take”.

Além do fato peculiar de ser o espírito da Americana celebrada por um trio de jazzmen no qual dois são imigrantes nascidos na Europa, anote-se que seis dos nove temas do programa são originais, e não colhidos diretamente nas fontes tradicionais. O gaitista Maret compôs Back home (5m15) e The sail (7m05); Frisell é o autor de Small town (3m55) – na qual troca a guitarra pelo banjo – e de Rain rain (6m15); Roman Collin escreveu San Luis Obispo (4m), e ainda Still (6m10), em parceria com Maret.

O contemplativo clima de Back home é aos poucos levemente aquecido pelas es escovinhas de um ilustre convidado, o baterista Clarence Penn, que só atua nessa faixa.

Os outros títulos selecionados pelo trio são: o de abertura, Brothers in arms (3m10), de Mark Knopler, daquele conjunto britânico Dire Straits, dos anos 70/80; Wichita lineman (5m25), de 1968, da pena do songwriter Jimmy Webb; Stacks (8m15), da banda folk norte-americana Bon Iver, de Justin Vernon.

(Faixas de Americana podem ser ouvidas em :

(https://music.youtube.com/watch?v=Y67n9Vq2pY8&list=OLAK5uy_mKp_6e1FZUBcN0BTq04laodAZZHmYcLqA )


Cadastre-se e leia 10 matérias/mês de graça e receba conteúdo especializado

Cadastro Gratuito