Opinião & Análise

Justiça em série

De perto ninguém é normal

Top 5 advogados nada convencionais

Nem todo advogado é como Harvey Specter, de Suits: bem vestido, bem penteado e bem centrado. Alguns são meio molambentos; outros têm gosto duvidoso para roupas; e há aqueles tão excêntricos que até assustam seus clientes. Mas uma coisa é certa: eles arrasam!

Elsbeth Tascioni (Carrie Preston) em ‘The Good Wife’ e ‘The Good Fight’– Uma das mais brilhantes advogadas da ficção, Elsbeth apareceu pela primeira vez no fim da primeira temporada de The Good Wife, já arrasando. Ela é tão inteligente que é quase impossível acompanhar seu cérebro. Nem ela mesma consegue dar conta de tanto pensamento junto. Quem a vê pela primeira vez não acredita que ela possa ser competente, pois Elsbeth não tem muito filtro para falar com os outros, nem se apega às convenções da sociedade. Ela fala o que vem à mente, sem se importar com a mensagem que chega ao seu interlocutor. Ela não se importa nem mesmo em ter um escritório para atender seus clientes. Para ela, uma sala num prédio chique em Manhattan com vista para o Central Park e um cubículo nos fundos de qualquer salão de beleza, como o de Saul Goodman, são iguais: apenas locais para conversar em particular com um cliente. Afinal, o que importa é o trabalho e não a vitrine.

Elsbeth tem dificuldades para organizar suas ideias, então, para se concentrar, a advogada usa alguns recursos nada ortodoxos e diverte o público com suas técnicas. No tribunal, entretanto, ela acaba com seus adversários usando esse jeitinho meio maluquinho, pois ninguém acredita que ela pode, sim, ser durona. Elsbeth consegue divertir o público até quando está usando sua sensualidade para ganhar batalhas no tribunal. Pobre Josh Perotti (Kyle MacLachlan) sofreu ao enfrentar sua amada ruiva em frente ao juiz…

Depois de suas participações recorrentes durante as sete temporadas de The Good Wife – uma das melhores séries jurídicas de todos os tempos –, a personagem retorna às telinhas para abrilhantar a temporada de estreia de The Good Fight, o spin off de The Good Wife, com Diane Lockhart (Christine Baranski), no papel principal. Enfim, Elsbeth tem um distúrbio psiquiátrico, mas e daí? O que é ser “normal”, afinal?

John Cage (Peter MacNicol) em ‘Ally McBeal’ – Caso você conhecesse John Cage em uma festa, provavelmente não o contrataria para ser seu advogado. Sociopata, o personagem de Ally McBeal não tem nenhuma habilidade para lidar com pessoas por causa de sua insegurança crônica. Ele sempre acha que vai ser motivo de chacota. O único lugar em que ele se sente seguro, no entanto, é no tribunal. Quando está em ação, não tem para ninguém. Ele é simplesmente um dos melhores advogados já vistos em uma série de TV. Talvez seja tão bom quanto Denny Crane (William Shatner) e Alan Shore (James Spader), de Boston Legal.

Além de inseguro, Cage tem manias nada convencionais. Como é fã de Barry White, o advogado só consegue ganhar um pouco de confiança depois de dançar ao som de seu ídolo. As cenas mais memoráveis de Ally McBeal são as coreografias do elenco no banheiro unissex do escritório. Tanto, que foi com Barry White que a série chegou ao fim, após cinco temporadas.

Eli Stone (Johnny Lee Miller) em ‘Eli Stone’ – Nesta onda de ter visões, o campeão é Eli Stone, o advogado que, por causa de um aneurisma cerebral, começa a ter alucinações. Para ele, essas visões são tão reais que ele vive as mais incríveis situações. Algumas pessoas o vêem como um louco, outros como um profeta. Por conta de sua situação terminal, Eli quer fazer o bem e aceita casos que não necessariamente lhe rendem dinheiro, mas que lhe fazem bem à alma. Além desse lado espiritual forte, a série tinha também uma pegada cômica que lembrava Ally McBeal. Uma das visões recorrentes de Eli, por exemplo, era a de George Michael cantando sucessos como Faith, Freedom, I Want Your Sex. O cantor participa de vários episódios da série. Eli Stone, infelizmente, foi cancelada sem ter um desfecho.

Saul Goodman (Bob Odenkirk) em ‘Better Call Saul’ – Foi na segunda temporada de Breaking Bad, uma das melhores séries de todos os tempos, que Saul Goodman apareceu pela primeira vez. Picareta, o advogado criminalista conquistou um grande cliente: Walter White (Bryan Cranston. No episódio intitulado Better Call Saul, ele surge com o conceito: “Se você quer um advogado, é melhor que seja um advogado ‘criminal’”. E assim é Saul, ou Jimmy McGill. Um advogado que ajuda seus clientes de forma nada legal, no sentido literal da palavra. Manobras ilícitas são usadas diariamente pelo advogado que, aos poucos, ganha a confiança de White e se torna um dos principais responsáveis pela escalada financeira de White, facilitando lavagem de dinheiro da venda de metanfetamina.

Saul tem um movimentado escritório devido à sua estratégia de marketing. Além de anúncios pela cidade com o slogan “Better Call Saul”, o advogado produz propagandas televisivas baratas e de péssimo gosto, mas que atraem a atenção daqueles que já não sabem a quem recorrer. Oportunista, ele caça seus clientes praticamente na porta da cadeia e os convence a contratá-lo. A aceitação de Saul na premiada série Breaking Bad foi tão grande, que os criadores da série fizeram um spin off só com o personagem.

A série Better Call Saul mostra um Jimmy McGill antes da fama, quando batalhava seu lugar na advocacia, mas sofria preconceito nos grandes escritórios, por sua formação tardia, seu figurino de gosto duvidoso e suas ações que ferem as regras e estatutos da Ordem dos Advogados. É Jimmy treinando para ser Saul. Mas não só isso. Better Call Saul mostra o lado generoso de Jimmy e todas as injustiças que ele sofreu até chegar a ser o advogado que não anda na linha.

Enquanto os advogados da ficção geralmente ostentam escritórios cheios de charme que exalam poder, Jimmy começa sua carreira atendendo clientes no quartinho onde mora, nos fundos de um salão de beleza. E, mesmo quando ganha um escritório enorme em uma firma de renome, Jimmy não abandona velhos hábitos. É lá que ele tem essa ideia de anunciar serviços advocatícios na televisão.

Jimmy pode não ter visões, alucinações nem nada disso, mas entra nesta lista por ser um advogado nada convencional, que atende clientes num cubículo, usa roupas cafonas, e, à primeira vista, não parece ser um advogado que livraria alguém da cadeia. Porém, uma coisa é certa: caso você tenha problemas com a lei, melhor ligar para o Saul!

Jack Stone (John Turturro) em ‘The Night Of’ – Você confiaria em um advogado que usa sandálias tipo papete? Jack Stone não é um advogado de boutique. Seus ternos são desalinhados, seus cabelos desgrenhados e, por causa de uma doença de pele, o advogado usa sandálias em vez de sapatos bem engraxados. Stone, assim como Saul Goodman, caça seus clientes no momento mais delicado: quando acabam de ser presos.

No início de The Night Of, a boa série da HBO, Stone faz seu trabalho de forma meio mecânica, para ganhar seu dinheirinho (bem “inho” mesmo), no fim do mês. Ele não é aquele típico advogado de série, que é empolgado com a profissão, entusiasmado com a justiça. Ele quer apenas sobreviver. Isso, até caçar o jovem Nasir Khan como seu cliente. Naz. Como é chamado, faz com que olhos do advogado brilhem novamente com a tal Justiça. Ele briga por seu cliente, um caso quase perdido na visão de muita gente, até mesmo dos espectadores. Tudo de errado acontece com Naz. Apesar da alegação de inocência do rapaz frente a uma acusação de assassinato, todas as pistas apontam sua culpa. É praticamente impossível inocentá-lo. Stone, no entanto, compra a briga. Com o passar dos episódios, Stone cresce e prova que essa história de “advogado de porta de cadeia” é expressão que deve ser banida.


Cadastre-se e leia 10 matérias/mês de graça e receba conteúdo especializado

Cadastro Gratuito