Análise

Análise

Guedes sinaliza engajamento na agenda eleitoral de Bolsonaro

Ministro reassume protagonismo em projeto de reeleição do presidente

Ministro Paulo Guedes fala ao JOTA
Uma versão mais completa deste conteúdo foi distribuída antes, com exclusividade, aos nossos assinantes JOTA PRO

“Nós jogamos na defesa nos primeiros três anos, controlando despesas. Agora vem a eleição? Nós vamos para o ataque”
Paulo Guedes, ministro da Economia

Após um período de mais discrição e conversas internas no governo, Paulo Guedes retomou as articulações para reassumir protagonismo na agenda de Jair Bolsonaro, sinalizando que pretende seguir no cargo e demonstrar utilidade ao projeto de reeleição do presidente.

Nesta segunda-feira, auxiliares do ministro correram para apagar o incêndio causado no mercado pela fala do ministro à “Folha de S.Paulo”, na qual ele sinaliza que a agenda político-eleitoral de Bolsonaro ditará a estratégia da pasta.


O “Posto Ipiranga” prometeu “ir para o ataque” com projetos de alcance social. Seriam medidas de amplo apelo político construídas dentro dos marcos fiscais vigentes, respeitando o teto.

Membros da sua equipe procuraram interlocutores na mídia e entre os agentes econômicos tentando explicar o contexto das declarações e as figuras de linguagem que teriam sido usadas pelo ministro na controversa entrevista. O objetivo era refutar a tese de que o titular da Economia teria dado sinal verde para a “gastança”, inclusive num aceno ao centrão, e detalhar as apostas da pasta para as reformas e privatizações.

Como o Risco Político do JOTA apontou em 12 de março, Guedes começou a difundir naquele instante a ideia de que um conjunto de medidas para geração de emprego e renda será preparado pelo governo, ajudando a estratégia de Bolsonaro para 2022 — numa disputa que provavelmente será travada com o ex-presidente Lula, que é visto como patrono do Bolsa Família e outras vitrines sociais.

Agora, além da estruturação do novo “Renda Brasil”, que viria em substituição ao programa lançado pelo petista, o ministro promete lançar mão de um conjunto de iniciativas que remonta ao extinto Pronatec –uma das bandeiras da segunda gestão da ex-presidente Dilma Rousseff, interrompida pelo impeachment.

Trata-se de um pacote sintetizado em duas siglas — BIC (Bônus de Inclusão Produtiva) e BIQ (Bolsa de Incentivo à Qualificação). Embora os próprios técnicos do governo ainda tenham dúvidas sobre fonte de financiamento e desenho dos dois projetos, eles nascem com o propósito de repassar recursos a 2 milhões de jovens de 18 a 29 anos. Em formato de bolsas, eles receberiam um salário mínimo/hora, hoje estimado em R$ 5. Metade dos recursos viria dos cofres públicos e a outra metade, da iniciativa privada. A proposta em gestação envolveria o Sistema S na qualificação, prevendo a inserção dos beneficiados na rotina de trabalho das empresas.

Além da Economia, estão trabalhando nos ensaios representantes dos ministérios da Educação e da Cidadania.

Um dos desafios do grupo interministerial engajado nos estudos é acelerar a formatação do pacote, a fim de colocá-lo em funcionamento num prazo de 60 dias. A meta é deixá-lo maduro para funcionar assim que terminar a nova rodada de pagamentos do auxílio emergencial.

Simultaneamente, Guedes planeja avançar com o Congresso Nacional na formatação do Renda Brasil — provavelmente em debate que ganhará tração no âmbito na comissão mista do Orçamento.

Assinantes JOTA PRO receberam a análise completa do Risco Político para entender o timing político do “rompante populista” do ministro e o vaivém das variáveis da governabilidade de Bolsonaro.

Quer saber mais? Conheça as ferramentas de monitoramento político do JOTAINFO_Referral&utm_medium=Materia_analise&utm_campaign=Analise_Fabio_zambelli&utm_content=25_05_2021">JOTA PRO


Sair da versão mobile