Justiça

STJ

STJ condena Bauducco por venda casada com “É Hora do Shrek”

Foi a primeira vez que o STJ tratou do tema

adoção; humberto martins; stf
Humberto Martins STJ Crédito: Flickr/STJ

A propaganda que condiciona a venda de um produto a partir da compra de outro produto é abusiva e a prática configura venda casada, o que é vedado no país.

“Consumidor não pode ser obrigado a comprar um produto que não deseja”, assim decidiu a 2ª Turma do Superior Tribunal de Justiça.

Os ministros julgaram Ação Civil Pública contra a promoção da Pandurata Alimentos (Bauducco) “É hora de Shrek”, que consistia em trocar cinco embalagens de produtos da linha “Gulosos” e mais R$ 5 para receber um dos cinco modelos de relógios com a figura do personagem do filme Shrek.

Foi a primeira vez que o STJ tratou do tema.

Por entender que a publicidade era voltada ao público infantil e configurava venda casada, o Ministério Público interpôs Ação Civil Pública contra a Bauducco Alimentos.

Uso de verbos no imperativo e capitalismo selvagem

Para o MP, a campanha publicitária infringe também o artigo 37 do Código Brasileiro de Auto Regulamentação Publicitária (Conar) que proíbe a utilização de verbos no imperativo em publicidade voltada às crianças. Citou ainda o uso do capitalismo selvagem.

O processo teve ainda a provocação do Instituto Alana, que atua como Amicus Curiae e concordou com o argumento da publicidade abusiva.

O Tribunal de Justiça de São Paulo decidiu que a Bauducco Alimentos efetivou indevida publicidade voltada ao público infantil, por caracterizá-la como venda casada. A empresa então interpôs Recurso Especial no STJ.

A defesa da Bauducco alegou que a promoção era destinada aos adultos, “que têm o poder de decisão”.

“Ao se depararem com a promoção, os pais compravam os produtos, trocavam as embalagens por um relógio e entregavam para os seus filhos”, explicou.

A Bauducco apontou ainda o direito à livre iniciativa e livre concorrência, além de apontar desvantagem comercial, por o ônus recair apenas sobre a empresa, uma vez que a lei não é clara sobre a proibição da prática.

No STJ, o relator, ministro Humberto Martins, considerou a propaganda abusiva e que o caso configurou a venda casada. Ele afirmou que o tribunal tem de enfrentar o mérito de questões que violentam os direitos da sociedade, “seja da criança, seja do idoso e seja do cidadão”.

Os demais ministros da Turma seguiram o entendimento do relator.

O artigo 39, I, do Código de Defesa do Consumidor diz:

“É vedado ao fornecedor de produtos ou serviços, dentre outras práticas abusivas condicionar o fornecimento de produto ou de serviço ao fornecimento de outro produto ou serviço, bem como, sem justa causa, a limites quantitativos.”


Cadastre-se e leia 10 matérias/mês de graça e receba conteúdo especializado

Cadastro Gratuito