Justiça

Tortura

Juiza critica ação de UPPs e condena PMs por morte de Amarildo

Estratégia de Segurança Pública revela despreparo de policiais, afirma magistrada

Rio de Janeiro - Parentes e amigos de Amarildo de Souza, desaparecido desde o dia 14 de julho deste ano, participaram de uma caminhada pelas vielas da favela da Rocinha e um enterro simbólico, refazendo o trajeto onde o ajudante de pedreiro foi visto pela última vez, quando foi levado por policiais militares para a sede da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) da comunidade. Na foto, Elizabeth Gomes, esposa de Amarildo.

“Estamos diante de agentes que utilizaram meios escusos para obterem resultados concretos. Uma verdadeira distorção de valores que se revelou na atrocidade cometida. Um cidadão torturado até a morte é uma mancha na imagem das UPPs. A tão propagada estratégia de Segurança Pública implantada em várias comunidades do Estado, a partir deste insulto contra o […]

Leia este texto gratuitamente

Cadastre-se e tenha acesso a dez conteúdos todo mês.

cadastre-se agora. é grátis!

Informações confiáveis, assertivas e úteis. ​Leia e entenda por que o JOTA ​foi eleito a melhor startup de informação do mundo.