Do Supremo

STF

Divulgar informação de processo oculto é “brincadeira” com o STF, diz Gilmar Mendes

“É preciso repudiar isso de maneira muito clara”, afirmou o ministro

Após ser recebido pelo o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha,o ministro do STF Gilmar Mendes fala com a Imprensa (Antonio Cruz/Agência Brasil)

Em tom grave, o ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal, criticou a divulgação de informações de processos que tramitam de forma oculta ou em sigilo na Corte. O ministro reagiu ao vazamento de informações sobre o pedido de prisão, feita pela Procuradoria Geral da República, do presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), do senador Romero Jucá (PMDB-RR) e do ex-presidente José Sarney (PMDB-AP). Eles seriam acusados de tentar barrar a operação Lava Jato.

Pouco antes de entrar na sessão de julgamento desta terça-feira (7/6), Gilmar Mendes falou a jornalistas que vazar informações é uma brincadeira com o Supremo. “É preciso repudiar isso de maneira muito clara”, afirmou

Ele lembrou que isso ocorreu inclusive com processos de sua relatoria.

“Os processos vêm como ocultos e vocês (os jornalistas) já sabem e divulgam antes de chegar no meu gabinete. Isso tem ocorrido e precisa ter cuidado. Isso é abuso de autoridade”, afirmou.

Segundo Gilmar, os responsáveis por divulgar as informações devem ser “chamados às falas”. O ministro não quis, no entanto, fazer conjecturas sobre quem foi o responsável pelo vazamento.

“Não se pode brincar com esse tipo de coisa. É processo oculto, pede-se sigilo, mas divulga-se para  a imprensa que tem um processo aqui [no STF]. Isso é algo grave”, concluiu.


Cadastre-se e leia 10 matérias/mês de graça e receba conteúdo especializado

Cadastro Gratuito