Justiça

STJ

Anonymous Brasil diz ter invadido sistema do STJ e divulga dados de servidores

O grupo chamou a ação de :”#e-maillea, STJ hakeado”. Em sua página no facebook, os hackers afirmam que a medida representa um ato contra a impunidade permitida pelo tribunal.

Hackers do grupo Anonymous Brasil afirmaram nesta quinta-feira (20/10) que invadiram o sistema do Superior Tribunal de Justiça e passaram a divulgar nas redes sociais uma lista com supostos dados funcionais e pessoais de servidores do tribunal.

Foram disponibilizados na internet CPF, e-mail funcional com a respectiva senha, telefones residencial e celular.

O grupo chamou a ação de :”#e-maillea, STJ hakeado”. Em sua página no facebook, os hackers afirmam que a medida representa um ato contra a impunidade permitida pelo tribunal. O STJ divulgou nota afirmando que “até o momento, não há nenhum registro de acesso não autorizado ao sistema de informática do tribunal, tampouco vazamento de informações de acesso restrito”.

O comunicado do Anonymous Brasil é confuso e comete erros básicos, como chamar o STJ de Suprema Corte ou Supremo (nomes usados para se referir ao Supremo Tribunal Federal)  e colocar entre as justificativas da divulgação das informações a anulação das condenações dos Policiais Militares envolvidos na chacina do Carandiru — decisão tomada pelo TJSP.  Nesse caso, inclusive, o grupo afirma, incorretamente, que os PMs foram absolvidos.

Ao criticar o STJ, na realidade o grupo bate em todo o judiciário, ao afirmar que o Poder “se revela cada vez mais como o guardião dos privilégios do latifúndio, da grande elite em nosso país”.

Nota do STJ

A Secretaria de Tecnologia da Informação e a Secretaria de Segurança do STJ estão fazendo investigações preliminares visando averiguar o noticiado vazamento de dados. Pelo que se apurou até o momento, não há nenhum registro de acesso não autorizado ao sistema de informática do tribunal, tampouco vazamento de informações de acesso restrito. Medidas preventivas estão sendo estudadas para reforçar a segurança da informação no STJ.

Veja o que escreveu o grupo:

Supremo sob suspeita

O Superior Tribunal de Justiça perde a cada dia a sua credibilidade. O mito da independência dos três poderes esconde a realidade da nefasta ação que a força do dinheiro exerce sobre toda a sociedade, conformando a plutocracia à qual os tais poderes da república se subordinam e resguardarem seus interesses. O judiciário, por exemplo, se revela cada vez mais como o guardião dos privilégios do latifúndio, da grande elite em nosso país. Assim funciona esta tal democracia , enaltecida pelos oportunistas travestido como ‘Estado Democrático de Direito’, no qual as leis seguem garantindo todos os direitos às classes dominantes e impondo todos os deveres às classes dominadas, com o agravante de servirem como instrumento da consolidação da ordem semicolonial e semifeudal na sociedade brasileira.

 Perguntas sem explicação e o silêncio da Suprema Corte que põe em dúvida o funcionamento do sistema judiciário brasileiro. Se a suprema corte gera tantas dúvidas o que dirá das outras instâncias.verdade é que não há independência e autonomia entre os três poderes. Na prática, os três se juntam para agir contra um inimigo em comum: a classe trabalhadora. Os inimigos do “Estado Democrático de Direito” são muito bem definidos. Trata-se do pobre, negro e periférico, que não tem dinheiro para pagar um ótimo advogado para livrá-lo da cadeia por desviar dinheiro público como a grande maioria dos políticos brasileiros. Há quem serve o poder judiciário?

Ingenuidade acreditar na integridade do STJ, sabendo de casos como o de Rafael Braga, que foi condenado por portar uma garrafa de Pinho Sol, enquanto inúmeros ricos são absolvidos de crimes hediondos sem a mínima comoção. O Poder Judiciário, assim como o Executivo e o Legislativo, é racista, machista e burguês! O Estado serve apenas para o setor privado e para fazer a manutenção do sistema, usando de seus falsos três poderes independentes para tal ação.

O Estado financia chacinas na periferia em nome do grande proprietário (exemplos como a chacina de Costa Barros, da Candelária e todas as mortes nas operações feitas diariamente nas favelas) e o STJ faz o papel de encobrir os assassinos. Recentemente, os PM’s assassinos do Carandiru foram absolvidos. Mais de cem pessoas foram mortas, e agora os assassinos estão impunes.

Jamais esqueceremos Rafael Braga, jamais esqueceremos Costa Barros, jamais esqueceremos a Candelária, jamais esqueceremos Amarildo, Cláudia, Eduardo e quaisquer outras vítimas da violência do Estado elitista, e jamais esqueceremos a quem o Judiciário serve, legitimando todas essas barbáries e absolvendo os ricos e poderosos. A justiça é para quem pode pagar.”


Faça o cadastro gratuito e leia até 10 matérias por mês. Faça uma assinatura e tenha acesso ilimitado agora

Cadastro Gratuito

Cadastre-se e leia 10 matérias/mês de graça e receba conteúdo especializado

Cadastro Gratuito