Justiça

Lava Jato

Ajufe refuta “tortura soft” na Operação Lava Jato

Entidade que representa juízes federais rebate Associação de Advogados de São Paulo

A Associação dos Juízes Federais do Brasil divulgou, nesta terça-feira (03/03), nota oficial, para rebater “comentários” a respeito da suposta prática de abusos, ou “tortura soft”, contra investigados nos inquéritos oriundos da Operação Lava Jato.

De acordo com o presidente da Ajufe, Antônio César Bochenek, “a prisão preventiva imposta a diversos indiciados nas referidas ações penais em nada se confunde com a tortura, conforme previsto na legislação penal brasileira”, por tratar-se de “medida cautelar aplicada antes do trânsito em julgado do processo criminal, sempre que presentes os pressupostos de admissibilidade e requisitos de legalidade”.

O presidente da Associação dos Advogados de São Paulo (AASP), Leonardo Sica, em entrevista à imprensa, manifestara “preocupação” com a condução do processo pelo juiz federal Sérgio Mora. Para ele, “essa combinação entre prisão preventiva e delação premiada soa como uma espécie de ‘tortura soft’, já que, “como num pau de arara virtual, as pessoas são presas preventivamente, e só são soltas se confessarem”.

+LAVA JATO: A cobertura completa do JOTA sobre a operação

Na nota da Ajufe, o presidente da entidade afirma:

“O juiz federal Sérgio Moro motivou todas as suas decisões baseando-se na conduta dos acusados, materialidade delitiva e indícios de autoria. Cabe ressaltar que as decisões do magistrado não foram reformadas pelas instâncias superiores, em recursos ao Supremo Tribunal Federal, Superior Tribunal de Justiça ou Tribunal Regional Federal da 4ª Região.

Alegações genéricas e infundadas de que os métodos de investigação e de colheita de prova na Operação Lava Jato estão violando direitos e garantias dos cidadãos, e sendo feitas com excessos, devem ser veementemente repudiadas.

A Ajufe manifesta apoio irrestrito e confiança no trabalho desenvolvido com responsabilidade pela Justiça Federal do Paraná a partir da investigação da Polícia Federal e do Ministério Público Federal. A Ajufe não vai admitir ataques pessoais ou familiares de qualquer tipo, principalmente declarações que possam colocar em dúvida a lisura, eficiência e independência dos magistrados federais e tribunais brasileiros”.


Cadastre-se e leia 10 matérias/mês de graça e receba conteúdo especializado

Cadastro Gratuito