Jotinhas

AGU

Vice-AGU pede exoneração e alfineta Grace Mendonça

Em carta, Medeiros afirmou que interesse público e da instituição devem prevalecer ‘sobre projetos e interesses pessoais’

AGU
O Advogado Geral da União substituto, Paulo Gustavo Medeiros Carvalho, que entregou o cargo / Foto: José Cruz/Agência Brasil

Em meio ao clima de crise interna aberta pela exoneração de dois procuradores federais, a Advocacia-Geral da União (AGU) registrou mais uma baixa hoje. O advogado-geral da União substituto, Paulo Gustavo Medeiros Carvalho, pediu exoneração e alfinetou sua chefe, a ministra Grace Mendonça.

Em carta enviada à advogada-geral da União, Medeiros afirmou que vai “continuar atuando pelo interesse público e da instituição, certo de que este sempre deve prevalecer sobre projetos e interesses pessoais”.

Na semana passada, Grace Mendonça exonerou, de uma só vez, a procuradora-geral da União, Izabel Vinchon Nogueira de Andrade, e o procurador-geral federal, Cleso José da Fonseca Filho. E, de acordo com informações de fontes da Presidência da República, a ministra havia pedido à Presidência da República que exonerasse seu vice (o cargo de advogado-geral substituto é de nomeação do Presidente da República).

Em troca, a ministra nomearia Paulo Gustavo Medeiros procurador-geral federal, o que configuraria, na prática, um rebaixamento. Aí surgem duas versões: as fontes da Presidência da República afirmam que a proposta de exonerar Medeiros foi barrada na Casa Civil. E este fato só revela a indisposição da ministra Grace Mendonça com o subchefe de assuntos jurídicos da Casa Civil, Gustavo Rocha. Por outro ladoas fontes da AGU afirmam que a situação de Medeiros ainda estava indefinida no Palácio do Planalto.

 

Exonerações

Na semana passada, por meio da assessoria de imprensa da AGU, a ministra justificou as exonerações, dizendo que seriam para “melhorar o desempenho na área do contencioso”. As mudanças, porém, não foram bem vistas pela Associação Nacional dos Advogados Públicos Federais (Anafe). Em nota, a entidade afirmou que existem indicativos de que “as exonerações não foram movidas por questões técnicas, mas por razões de conveniência pessoal da dirigente máxima da Instituição”.


Cadastre-se e leia 10 matérias/mês de graça e receba conteúdo especializado

Cadastro Gratuito