Jotinhas

Rodrigo Janot

Janot escolhe José Bonifácio de Andrada como vice, que pode disputar sucessão no MP

Procurador pode disputar sucessão da PGR

Escolhido para ocupar o segundo cargo na estrutura de comando da Procuradoria-Geral da República, o subprocurador-geral da República José Bonifácio Borges de Andrada entrou na bolsa de apostas para ser o sucessor do procurador-geral da República, Rodrigo Janot.

A gestão de Janot termina em setembro de 2017, mas já provoca discussões no cenário político. O herdeiro da cadeira terá que dar prosseguimento aos desdobramentos da Lava Jato e será responsável por dar o ritmo das investigações contra os políticos que estão na mira do MP.

Andrada é integrante do MP desde 1984 e é amigo de Janot. Ele foi advogado-geral da União no fim do governo Fernando Henrique Cardoso, quando assinou a mudança na lei do foro privilegiado estabelecendo o direito de ex-ocupantes de cargos públicos e ex-detentores de mandatos eletivos a foro por prerrogativa de função — norma que acabou derrubada pelo STF.

Ele também foi advogado-Geral do Estado de Minas Gerais durante a gestão do senador  Aécio Neves (PSDB-MG) no governo do Estado. No Congresso, o procurador é apontado com bom trânsito no PSDB e PMDB.

No cargo de vice-procurador-geral, ele será responsável por dar andamento  ao andamento da Lava Jato no Superior Tribunal de Justiça, que investiga o suposto envolvimento de governadores como Luiz Fernando Pezão (Rio) e Tião Viana (Acre). Ele também cuidará dos desdobramentos da operação Acrônimo que investiga supostos desvios envolvendo campanhas do PT, principalmente a que levou Fernando Pimentel ao governo de Minas Gerais, em 2014.

Segundo pessoas próximas, no entanto, Andrada ainda não indicou que pode concorrer à sucessão de Janot.


Faça o cadastro gratuito e leia até 10 matérias por mês. Faça uma assinatura e tenha acesso ilimitado agora

Cadastro Gratuito

Cadastre-se e leia 10 matérias/mês de graça e receba conteúdo especializado

Cadastro Gratuito