Jotinhas

QUARENTENA

Estados renovam toque de recolher e medidas restritivas

Após restrições ao carnaval, estados e capitais mantêm proibição para saídas à noite, além de festas e eventos com aglomeração

Aumento no número de casos leva a lockdown e toque de recolher em diferentes regiões do país. Polícia fiscaliza cumprimento de medidas restritivas em Araraquara Foto: Prefeitura de Araraquara (SP).

O avanço das novas variantes do coronavírus no país e a limitação de leitos disponíveis para tratamento da Covid-19 em vários municípios têm desafiado os executivos a manter as restrições às atividades econômicas e aos serviços considerados não essenciais.

A rara medida de cancelamento do feriado de Carnaval sinaliza que as renovações de quarentena e lockdown devem se estender por um bom tempo, uma vez que o ritmo de aplicação das vacinas ainda é lento e instável.

Como a proibição de eventos carnavalescos não impediu a realização de festas clandestinas em algumas regiões do país, alguns estados renovaram decretos de toque de recolher e restrição dos horários de permanência na rua até o fim de fevereiro. Foi o caso do Amazonas, da Bahia e do Paraná. A capital sul mato-grossense, Campo Grande, também manteve o toque de recolher até a próxima semana.

 No Amapá, o governo estadual suspendeu mais uma vez  todas as atividades de lazer em clubes, bares, boates, teatros, casas de espetáculos, casas de shows, centros culturais, balneários públicos e privados com acesso ao público, incluindo embarcações; além de competições de esportes coletivos.

Com boa parte do território na fase vermelha do plano de retomada, o estado do Pará manteve várias restrições às atividades econômicas não essenciais e passou as visitas presenciais agendadas em fevereiro nas penitenciárias para o mês de março. O Piauí também proibiu festas e eventos até 28 de fevereiro.

Em Salvador, a prefeitura suspendeu, pelo menos até 25 de fevereiro, o funcionamento de cinemas, teatros e demais casas de espetáculo.

No Sudeste, quatro áreas do interior de São Paulo (Araraquara, Barretos, Bauru e Presidente Prudente) foram classificadas na fase vermelha, com restrição total de comércios e serviços não essenciais, devido à piora nos números de contaminação pelo coronavírus. Já as regiões de Franca e Sorocaba avançaram para as fases laranja e amarela, respectivamente. Veja a nova classificação do Plano São Paulo que entrará em vigor na próxima segunda-feira (22/2).

Ainda no Sudeste, no Espírito Santo, três áreas estão com risco alto de contaminação e Minas Gerais teve uma região que progrediu para a fase amarela. Ainda assim, a Secretaria de Saúde de Minas suspendeu as cirurgias eletivas nas redes pública e privada conveniadas com o SUS.

A única medida de flexibilização encontrada durante a semana foi a autorização das aulas presenciais em Santa Catarina. O estado liberou o retorno da presença dos estudantes em sala de aula mesmo nas regiões classificadas como risco gravíssimo de infecção. Há a exigência, no entanto, de homologação de planos de prevenção pelas escolas.

As medidas de quarentena e flexibilização de atividades econômicas estão sendo monitoradas em todos os estados do país pelo sistema Tracking do JOTA.


Sair da versão mobile