JOTA/Insper

Parceria

JOTA e Insper firmam parceria para realizar webinars

Conversas desta semana serão com o professor Carlos Melo e o economista Marcos Mendes, nos dias 8/4 e 9/4

Imagem: Pixabay

Com o objetivo de apoiar não só os tomadores de decisão, mas também a sociedade de forma geral, que se preocupa com este momento, o JOTA e o Centro de Gestão e Políticas Públicas (CGPP) do Insper firmaram parceria para promover uma série de webinars. O objetivo é destacar os impactos e alternativas para este momento.

“Acreditamos que o debate em torno de conteúdos relevantes poderá apoiar o Brasil a atravessar esse momento de maneira fundamentada e buscando sempre o bem-estar da sua população”, afirma André Luiz Marques, coordenador executivo do CGPP.

Para Marques, a informação de qualidade e baseada em evidência sempre foi necessária para uma boa tomada de decisão. “Neste momento, ganha particular importância, pois com base nestas informações serão definidas as políticas de combate aos efeitos desta pandemia”, diz.

Os primeiros dois webinars serão realizados nesta semana. Na quarta (8/4), às 11h30, o analista-chefe do JOTA em São Paulo, Fábio Zambeli, conversa com o professor do Insper Carlos Melo. Na quinta (9/4), também às 11h30, o debate é com o economista e pesquisador do Insper Marcos Mendes.

 “O JOTA tem como missão tornar as instituições brasileiras mais previsíveis. Em momentos de crise aguda e fluxo intenso de informação, é fundamental a curadoria, de forma a eliminar ruídos, aprofundar as discussões e jogar luz sobre os efeitos da pandemia. Esse esforço tem ampla sinergia com o Insper, que produz conteúdo altamente qualificado e reúne um corpo docente que fará a diferença no debate público”, afirma Zambeli. 

Veja assuntos que serão abordados nos próximos webinars:

Carlos Melo – 8/4

“As encruzilhadas do mundo e os caminhos do Brasil”

Sinais evidentes de crise já existiam antes, a pandemia tratou de catalisar o processo e ainda o agudizou com um drama humanitário. Vidas ou Economia?

Não há escolha opção: a economia somente servirá se houver pessoas. Vivas. De todo modo, como já se tem dito, superado este processo o mundo não será o mesmo. A hipótese mais plausível é que mude a natureza dos Estados, abandonando — por um bom tempo, talvez uma década – os padrões de contenção fiscal e plena liberdade para ação dos mercados. O maior desafio para o Brasil será encontrar o atores adequados para o desafio.

Uma nova ordem mundial, um novo pacto, precisará ser repensado multilateralmente, não? A política é a variável mais importante, não? Como ficam as instituições do país diante desse desafio?

Marcos Mendes – 9/4

“Impacto fiscal na União, Estados e Municípios”

A dura crise de saúde pública vai exigir forte expansão do gasto público e deterioração das contas fiscais. A projeção do Tesouro Nacional no início de abril é de um déficit primário recorde de R$ 429 bilhões (5,9% do PIB), com tendência a aumentar a medida que novas políticas sejam anunciadas.

O aumento de despesas e a redução de receitas já contratados até agora são suficientes para levar a dívida bruta para a casa dos 90% do PIB. Não há espaço para expansões adicionais da despesa e do déficit público sem que se eleve muito o grau esforço fiscal que será necessário, no futuro, para conter a dívida pública. O webinar discutirá o impacto fiscal na União, estados e municípios neste momento de Pandemia.