Tributos

Em evento com sindicalistas, Lula acena para mudanças no imposto de renda

Presidente relembrou compromisso de campanha de isentar do tributo quem ganha até R$ 5 mil

Lula
O presidente Lula em sua primeira reunião ministerial no Palácio do Planalto- Crédito: Ricardo Stuckert/Presidência da República (06.01.2023)
logo do jota pro poder, na cor azul royal

Em discurso a sindicalistas no Palácio do Planalto nesta quarta-feira (18/1), o presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou que o governo fará mudança no imposto de renda. O presidente relembrou um compromisso de campanha de fazer a isenção do tributo para quem ganha até R$ 5 mil.

A mudança necessita de alterações na legislação e, segundo Lula, isso será construído.

“Vamos começar a fazer a reforma tributária”, disse Lula ao comentar as sinalizações dadas por seu ministro da Economia, Fernando Haddad, nos últimos dias e defender que haja muita discussão e, inclusive, pressão dos sindicalistas.

Segundo o presidente, a reforma será no primeiro semestre. Lula, no entanto, não deixou claro que pontos da reforma vão entrar já neste primeiro momento.

Em acenos aos movimentos sindicais, o petista afirmou que o salário mínimo tem que subir de acordo com o crescimento da economia, ou seja, ser relacionado ao PIB. Foi montado um grupo para a discussão da política de valorização e que inclui representantes sindicais e membros de várias áreas do governo.

GT sobre salário mínimo pode durar até 90 dias

O grupo de trabalho montado nesta quarta-feira pelo governo e representantes sindicais para discutir uma política de correção do salário mínimo terá 45 dias para concluir uma proposta, prorrogáveis por igual período.

Em discurso para a plateia de sindicalistas, o ministro do Trabalho, Luiz Marinho, afirmou que o grupo terá representantes de diferentes áreas do governo, como Casa Civil e Ministério do Planejamento.

Marinho disse que a discussão será feita respeitando a previsibilidade para fazer crescer o poder de compra do salário mínimo mantendo a inflação e o equilíbrio fiscal. O ministro também afirmou que o salário mínimo em vigor é de R$ 1.302, sem dar previsão para o pagamento dos R$ 1.320, que incluem a correção pela inflação: “A partir daqui nós vamos construir na mesa de negociação”, afirmou.