Mercado

Eleições 2022

Luiza Trajano responde Bolsonaro e diz que não foi convidada para ser vice de Lula

‘Nunca me filiei a partido político, não recebi nenhum político para fazer nenhum convite formal’, declarou a empresária

A empresária Luiza Trajano fala na Assembleia Legislativa da Paraíba - Reprodução

A empresária Luiza Trajano comentou nesta segunda-feira (22/11) uma declaração do presidente Jair Bolsonaro, que associou a queda de mercado da Magazine Luiza ao apoio ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, e também disse nunca ter sido convidada para ser vice do petista nas eleições de 2022.

Ela esteve na Assembleia Legislativa da Paraíba para receber o título de cidadã paraibana e participou de uma entrevista coletiva.

“Fiquei sabendo faz 15 minutos que ele declarou isso, para ser bem sincera”, disse sobre Bolsonaro.

O presidente disse, nesta segunda-feira (22/11), no Palácio do Planalto, que uma “mulher socialista perdeu R$ 30 bilhões”. A afirmação foi vista como uma referência à empresário porque, entre novembro de 2020 e 2021, o valor das ações rede de lojas caiu de R$ 26 para R$ 11,15. “Ação é assim: sobe e desce, sobe e desce. A gente nem olha isso. Ele não citou nome, ele falou uma mulher pelo que eu sei, mas deve ser eu”, afirmou.

Ao comentar a declaração do presidente, ela negou novamente ter sido convidada por Lula para ser vice na chapa.

“Não tenho o que falar, nunca estive com o presidente Lula, nunca fui convidada para ser vice. Sou convidada para ser vice no jornal, de todos os partidos, da esquerda, da direita, de todos, porque parece que precisa de uma mulher, parece que o perfil é uma mulher”, disse Luiza Trajano, que, em outro trecho da entrevista, completou: “Nunca me filiei a partido político, não recebi nenhum político para fazer nenhum convite formal. Eu cuidei do [projeto] Unidos pela Vacina e, qualquer um que quisesse falar de política, eu não recebi Já declarei mil vezes que não sou candidata”.

Como Bolsonaro citou que “uma mulher socialista”, a empresária foi questionada se se via desta forma. “Depende o que você vê como socialista. Sou a favor do Bolsa Família porque eu vou para o Nordeste e eu sei o que é isso, como sou a favor da privatização dos Correios”, afirmou ela, completando: “Eu sou a favor de causas para o Brasil. Eu acho que a desigualdade social precisa ser enfrentada, se isso é ser socialista, eu sou socialista, mas de causas. Por outro lado, sou empresária e sou a favor da distribuição de renda”, declarou.