Eleições 2018

TSE

MP Eleitoral quer endurecer aplicação da Ficha Limpa para casos de improbidade

Procuradores avaliam que nova composição da Corte pode rever tese mais flexível para inelegibilidade nesses casos

enquetes tse
TSE investigará Bolsonaro. Crédito: TSE/Divulgação

De olho na nova composição do Tribunal Superior Eleitoral, o Ministério Público vai tentar colocar em prática uma nova ofensiva para endurecer a aplicação da Lei da Ficha Limpa para considerar inelegíveis condenados por improbidade administrativa.

A ideia dos procuradores é rediscutir se a inelegibilidade fixada pela norma por improbidade administrativa vale para casos que tenham provocado, concomitantemente, dano ao patrimônio público e enriquecimento ilícito ou se é suficiente apenas um desses elementos. O MP defende que para configurar a inelegibilidade basta um dos elementos, portanto, dano ao erário ou o enriquecimento ilícito.

A lei da Ficha Limpa estabelece como inelegíveis para qualquer cargo: “os que forem condenados à suspensão dos direitos políticos, em decisão transitada em julgado ou proferida por órgão judicial colegiado, por ato doloso de improbidade administrativa que importe lesão ao patrimônio público e enriquecimento ilícito, desde a condenação ou o trânsito em julgado até o transcurso do prazo de 8 (oito) anos após o cumprimento da pena”.

A questão foi submetida ao plenário em outubro de 2010, mas o TSE acabou rejeitando endurecer a aplicação da norma e manter o entendimento de que a inelegibilidade fixada pela norma por improbidade administrativa vale para casos que tenham provocado dano ao patrimônio público e enriquecimento ilícito, os dois elementos concomitantemente.

A aposta do MP é que a nova formação da Corte possa rever esse entendimento nos julgamentos das eleições de outubro. Na próxima terça-feira (14/8) a ministra Rosa Weber assume a presidência do TSE com o fim do mandato do ministro Luiz Fux, que será substituído na Corte pelo ministro Edson Fachin.

Relator da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal, Fachin é considerado rigoroso na aplicação da lei, assim como Roberto Barroso, que é apontado como uma das vozes mais contundentes no discurso de combate à corrupção e na defesa da atuação do Ministério Público. No STF, Rosa Weber costuma convergir com os dois colegas.

Nesta semana, em julgamento que teve uma reviravolta no Supremo, Fachin deu o voto vitorioso que definiu não ter prazo para o Estado entrar na Justiça com ações para cobrar o ressarcimento de agentes públicos que tenham cometidos atos de improbidade administrativa com intenção de prejudicar a administração pública.

A investida do MP deve ampliar o número de casos de inelegibilidade por improbidade discutidos pelo TSE. O vice-procurador-geral Eleitoral, Humberto Jacques de Medeiros, já tem conversado com os integrantes da Corte para evitar “surpresas” sobre a ação dos procuradores no pleito.


Você leu 1 de 3 matérias a que tem direito no mês.

Login

Cadastre-se e leia 10 matérias/mês de graça e receba conteúdo especializado

Cadastro Gratuito