Dados

STF

Quase um terço da Câmara se diz favorável a busca e apreensão contra notícia falsa

Pesquisa do JOTA mostra que 90% dos deputados avaliam que redes sociais devem ter responsabilidade no combate a fake news

Crédito: Pixabay

Os deputados federais estão divididos sobre o Supremo Tribunal Federal (STF) autorizar mandados de busca e apreensão contra pessoas que ministros avaliam serem responsáveis pela divulgação de fake news.

Cerca de 36,4% dos parlamentares se dizem contrários à Corte ordenar essas buscas. Por outro lado, 33% se dizem favoráveis, enquanto 30,8% dos deputados se declararam indecisos sobre o assunto.

As respostas fazem parte da pesquisa parlamentar do JOTA, conduzida entre os dias 22 de abril e 16 de maio com 162 parlamentares. A amostra foi sorteada anteriormente à captação e é estratificada por grupos de partidos (base do governo, independentes e oposição).

O intervalo de confiança da pesquisa é de 95% e a margem de erro é de 3 pontos percentuais.

Papel das redes sociais

A pesquisa também perguntou aos parlamentares se as redes sociais devem ter responsabilidade no combate a fake news e 90,2% das entrevistados afirmaram que sim.

Também ficou registrada na pesquisa a ampla maioria de deputados que se dizem favoráveis à regulação de redes sociais. Essa é a opinião de 66,7% dos parlamentares entrevistados, enquanto 32,5% se disseram contrários e 0,8% indecisos.


Faça o cadastro gratuito e leia até 10 matérias por mês. Faça uma assinatura e tenha acesso ilimitado agora

Cadastro Gratuito

Cadastre-se e leia 10 matérias/mês de graça e receba conteúdo especializado

Cadastro Gratuito