Liberdade de Expressão

Liberdade de imprensa

Lewandowski: TJRJ deve julgar recurso de Globo contra censura de Flávio Bolsonaro

Ministro não acolheu pedido por questão processual, mas considerou relevância dos valores constitucionais. Leia íntegra

TV Globo Flavio Bolsonaro rachadinhas STF
Ministro Ricardo Lewandowski durante sessão da 2ª Turma / Crédito: Rosinei Coutinho/SCO/STF

O ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal (STF), negou, nesta segunda-feira (19/10), reclamação da TV Globo contra censura imposta à emissora para divulgar informações sobre as investigações do caso das rachadinhas, contra o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ). Contudo, o ministro determinou que o Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro (TJRJ) julgue o caso na primeira sessão subsequente.

O ministro não julgou o mérito da reclamação movida pela Globo por uma questão processual. Para Lewandowski, é preciso que se esgote as possibilidades de recursos nas instâncias inferiores antes. “O STF, como é sabido, tem assentado — por meio de reiterados pronunciamentos — que a reclamação não pode ser utilizada como sucedâneo do recurso cabível”, disse.

Mas determinou, “considerada a relevância dos valores constitucionais envolvidos”, que a 1ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Estado do Rio Janeiro (TJRJ) julgue o mérito do agravo na primeira sessão subsequente ao recebimento da decisão. Leia a íntegra.

A Globo entrou com a reclamação para desconstituir as decisões da 33ª Vara Cível da Comarca do Rio de Janeiro e do relator no TJRJ alegando que ambas contrariam jurisprudência pacífica da Corte quanto à proteção da liberdade de expressão e de imprensa, bem como ao direito à informação, ofendendo, em especial, o decidido na arguição de descumprimento de preceito fundamental (ADPF) 130, que vedou censura prévia. Disse, também, que as decisões estabeleceram uma censura seletiva, já que recaíram apenas a um veículo. 

A proibição para que a emissora publique reportagens que exibam documentos e exponham andamentos do caso foi imposta em 4 de setembro, pela juíza Cristina Feijó, da 33ª Vara Cível, a pedido de Flávio Bolsonaro. Ela entendeu que as informações divulgadas tramitam sob segredo de Justiça, motivo pelo qual avaliou ser correta a imposição de censura. Em 15 de setembro, o desembargador Fábio Dutra negou recurso da TV Globo e manteve a proibição.

Em informações prestadas a Lewandowski, Cristina Feijó defendeu a posição justificando que existem “fortes indícios de vazamento para a mídia de dados e peças que estavam sob segredo de Justiça, nos autos do procedimento de investigação criminal que tramita perante o TJRJ”. Já o desembargador destacou a “ausência de plausibilidade jurídica das razões recursais apresentadas pela reclamante”. Informou, ainda, não ter havido interposição de agravo regimental para rever a decisão monocrática.

“Pois bem. Não obstante a robustez dos argumentos esgrimidos pela reclamante, deparo-me, de imediato, com a existência de óbice intransponível ao cabimento da presente reclamação, porquanto, por ocasião de seu ajuizamento, ainda não se encontravam exauridas as instâncias recursais ordinárias, o que impede o manejo, ao menos por ora, desta via de impugnação de decisões judiciais”, disse o ministro Ricardo Lewandowski.

Ao mesmo tempo, considerou “a relevância dos valores constitucionais envolvidos na presente demanda judicial, e tendo em conta o direito à razoável duração do processo, previsto no art. 5º, LXXVIII, da Constituição da República” para determinar à Câmara Cível que julgue o mérito do agravo interposto pela Globo na primeira sessão subsequente ao recebimento da intimação da decisão.