Inova&Ação

Inova&Ação

Compras públicas para inovação e risco tecnológico

Análise da contratação pelo TJSP da empresa Microsoft por encomenda tecnológica

desembargadores carreira pública membros do mp contrato
Órgão Especial do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo (TJSP) / Crédito: Divulgação/AscomTJSP

O uso do poder de compra estatal serve para atender a certos tipos de demandas públicas. Os exemplos são inúmeros: desde a aquisição de mobiliário para um determinado órgão público federal, a contratação de serviços de assistência e manutenção a equipamentos hospitalares em um centro médico estadual, bem como a realização de obras de infraestrutura em uma determinada região.

As compras públicas são difundidas em diferentes esferas da administração pública de muitos países, tendo sido ainda historicamente instrumentalizadas para o desenvolvimento de grandes projetos em ciência e tecnologia (C&T), como a tecnologia denominada Global Position System (GPS) e a própria Internet, desenvolvidas para fins militares nos Estados Unidos e posteriormente disseminadas.

As compras públicas de conteúdo tecnológico, no entanto, não servem apenas a grandes projetos de C&T em setores específicos, como a defesa. No final da década de 1990, o instrumento passou a ser estimulado na Europa como parte dos esforços de política pública voltados à inovação em geral. Disso originou-se a abordagem teórica das políticas de inovação pela demanda, a partir da percepção de que as iniciativas até então se concentravam excessivamente nos mecanismos de oferta, como os investimentos a pesquisa e desenvolvimento (P&D).

Isso se deveu, em parte, ao uso bem-sucedido do poder de compra nos Estados Unidos no período pós-Segunda Guerra Mundial. Também no âmbito da União Europeia, as compras públicas para inovação foram difundidas, tendo as diretrizes para a concepção e a implementação desse mecanismo sido estabelecidas em 2014, por meio da Diretiva 24.

O principal propósito do instrumento é articular o poder de compra estatal com a aquisição de produtos (ou a contratação de serviços) e soluções inovadoras. Não se almeja, portanto, produtos ou serviços comuns, disponíveis no mercado (“de prateleira”, conforme o jargão). Diante do resultado incerto – como na essência é o processo inovativo – o gestor público dispõe de pouca informação para especificar, de antemão, o produto, serviço ou solução no edital ou o instrumento convocatório adequado.

Há, portanto, necessidade de interação estreita entre esse gestor público e os potenciais contratados no sentido de definir escopo e eventuais etapas de P&D. Depois de feita a contratação, tal interação se aprofunda ainda mais. Por isso, a compra pública para inovação assemelha-se mais a uma forma de cooperação do que um processo convencional de contratação público-privada.

Além de atender à demanda – por exemplo, o desenvolvimento de tecnologia para diminuir tempo de recarga de motores elétricos usados em veículos de transporte público – a compra pública para inovação pode, ademais, resultar em externalidades positivas, como a redução da emissão de gases poluentes pela frota de veículos de transporte público. Trata-se de uma perspectiva nova para o uso do poder de compra, ela própria em boa medida inovadora em termos de gestão e política públicas.

No arcabouço jurídico brasileiro há previsão de compra de conteúdo tecnológico desde a Lei 10.973/2004, conhecida como Lei de Inovação. O mecanismo no Brasil passou a ser conhecido por encomenda tecnológica, dada sua inspiração na compra pré-comercial (pre-commercial procurement) estabelecida na Europa.

A implementação da encomenda tecnológica, no entanto, permaneceu praticamente inerte desde a edição da Lei de Inovação e poucas contratações foram realizadas por seu intermédio. Para viabilizar o instrumento, é evidente que os critérios de menor preço ou combinação de melhor preço e técnica disponíveis na Lei Geral de Licitações, Lei 8.666/1993, não são suficientes. No Brasil, a encomenda tecnológica realiza-se por contratação direta, dispensável de licitação. Acrescente-se o elemento do risco tecnológico, que é um dos principais requisitos legais para que se optar pelas compras públicas para inovação. [1]

Recentemente, a contratação pelo Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo (TJSP) da empresa Microsoft, por encomenda tecnológica, motivou grande discussão e debates jurídicos.

O contrato foi suspenso por decisão do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), que recomendou que se faça um estudo técnico sobre a contratação de produtos e serviços de tecnologia da informação (TI) para processamento de dados do TJSP. Das informações a que tivemos acesso sobre o caso, entendemos que o TJSP, por meio de assessoria técnica, diagnosticou a obsolescência de seu sistema de processamento e procurou opções no mercado para atender suas demandas.

A empresa Microsoft atendeu ao solicitado e sua contratação foi justificada por dispensa de licitação. O TJSP motivou a existência de risco tecnológico afirmando haver incerteza quanto ao produto a ser desenvolvido, bem como quanto à possibilidade de incorporação adequada de novas tecnologias.

As contratações por dispensa e inexigibilidade de licitação, embora possam à primeira vista provocar estranhamento por deixarem de lado a forma e o rigor da licitação, são bastante utilizadas na administração pública brasileira. Segundo dados do Painel de Compras, que reúne dados da administração pública federal dos órgãos que compõem o Sistema Integrado de Serviços Gerais (SISG), os processos de compra por dispensa somaram, em 2018, aproximadamente, 60% do total, conforme detalhado no gráfico. Vale destacar que em relação ao volume de recursos, a mesma proporção não se verifica, dado que as contratações por intermédio das modalidades de licitação somam valores superiores.

Os números abaixo, vale dizer, coadunam-se com os argumentos de que a Lei Geral de Licitações deve ser modernizada e que novos arranjos contratuais público-privado devem ser viabilizados. [2]

Fonte: Painel de compras, 2019.

Resumindo, as encomendas tecnológicas alinham-se ao desafio de modernizar as contratações público-privadas e de possibilitar que o uso do poder de compra promova o surgimento de novas tecnologias em produtos e serviços, propiciando um ambiente amigável à inovação.

O fato de o instrumento realizar-se por dispensa de licitação não significa que o procedimento de compra não siga os princípios da administração pública, em especial da isonomia entre os competidores e da transparência.

Isso não quer dizer, de outro lado, que a legislação brasileira não deva esmiuçar de forma mais objetiva e clara o que entende por risco tecnológico, já que se trata de um elemento decisivo para a escolha e motivação do emprego da encomenda tecnológica. [3]

Operacionalizar compra pública com risco e incerteza tecnológica não se resume a cotar o menor preço e ou selecionar a melhor qualificação técnica para atender uma demanda.

O uso do instrumento pressupõe robusto conhecimento do gestor público sobre a dinâmica e sobre os avanços tecnológicos no setor-alvo (além do estado da arte, o gestor também deve conhecer a prospecção de novas tecnologias), bem como uma interação entre o gestor público e os potenciais contratados (mecanismo conhecido por negociação ou diálogo competitivo, introduzido no Decreto 9.283/2018 e difundido nas contratações público-privadas nos Estados Unidos e na União Europeia). Além disso, elementos como a forma de remuneração e o regime de apropriação da propriedade intelectual resultante são cruciais para viabilizar a contratação de conteúdo tecnológico.

A possibilidade de fornecimento e eventual escalonamento do resultado da encomenda, de acordo com o previsto na legislação, é também um incremento para o instrumento. Por isso, o mencionado Decreto inovou no campo das encomendas tecnológicas, de tal modo que colocar em prática tal instrumento deve contribuir com o aprendizado tão caro ao sistema de contratações públicas no Brasil.

Além disso, chamamos a atenção para o fato de que a administração pública deve justificar como espera economizar com a compra. Para além de benefícios diretos, outros ganhos devem entrar na tomada de decisão do gestor público, como efeitos que transbordam o escopo contratado e têm repercussão em campos estratégicos para o Estado, como avanço tecnológico em determinado setor, na proteção do meio ambiente e garantia ao exercício de direitos sociais, como a saúde e a educação. Esses elementos devem ser conhecidos por auditores e demais responsáveis por fiscalização nos órgãos de controle. [4]

O uso do instrumento pressupõe, em resumo, uma mudança de paradigma no direito administrativo, que o sintonize com as racionalidades das políticas de inovação. O instrumento deve ser ajustado para dar sentido a essas racionalidades da política. Todos os atores envolvidos nesse processo, que são os gestores públicos, as empresas e ou instituições científicas e tecnológicas e os membros dos órgãos de controle, devem ser capacitados para participar deste processo.

Por isso, o caso do TJSP será um importante precedente: se a contratação prosperar, a encomenda tecnológica poderá ganhar contornos mais nítidos e também mais transparência. Isso só ocorrerá, porém, se houver alguma convergência de interpretações e propósitos quanto à política de ciência, tecnologia e inovação e, em particular, quanto à encomenda tecnológica e seu requisito formal de existência de risco tecnológico. Se não prosperar, a depender do modo como isso ocorrer, poderemos estar fadados a abandonar a compra pública para inovação, uma valiosa ferramenta utilizada em todo o planeta, ou torná-la tragicamente natimorta.

 

——————————————-

[1] Em 2018 foi publicado o Decreto 9.283 que regulamenta um conjunto de leis relativas a CT&I. O instrumento das encomendas tecnológicas foi detalhado e novas possibilidades foram abertas para sua implementação e uso. As atividades de P&D para solução técnica ou para obtenção de produto, serviço ou processo inovadores devem necessariamente envolver risco tecnológico para que sejam contratadas por encomenda tecnológica. De acordo com o Decreto, risco tecnológico é definido pela “possibilidade de insucesso no desenvolvimento de solução, decorrente de processo em que o resultado é incerto em função do conhecimento técnico-científico insuficiente à época em que se decide pela realização da ação”. No estado de São Paulo, em 2017 foi publicado o Decreto 62.817 que regulamenta a Lei Complementar 1.049/2008, conhecida por lei paulista de inovação. O Decreto paulista dispõe sobre contratações público-privada nos moldes da encomenda tecnológica, mas não traz definição de risco tecnológico Ver, sobre a evolução normativa das encomendas no Brasil, Maia e Coutinho disponível em: https://www.jota.info/aprendizado-e-experimentacao-em-inovacao-o-caso-das-encomendas-tecnologicas. Sobre o Decreto Paulista de inovação, ver os Cadernos de Direito e Inovação do Observatório da Inovação e Competitividade (OIC/IEA) da USP, disponíveis em: http://oic.nap.usp.br/wp-content/uploads/2018/10/cadernos_direito_inova%C3%A7%C3%A3o_Volume-1.pdf.

[2] Ver, nesse sentido, a discussão acerca do Projeto de Lei 6.814 de 2017, que institui normas para licitações e contratos da Administração Pública e revoga a Lei 8.666 de 1993. Disponível em: https://www.camara.leg.br/Proposicao2122766. Recentemente, Nota Técnica do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) analisou determinados aspectos do Projeto de Lei. Disponível em: http://nota-tecnica-2019-a-retomada-da-agenda-perdida-das-compras-publicas-notas-sobre-o-novo-projeto-de-lei-de-licitacoes.

[3] Rauen e Barbosa (2019), no Guia Geral de boas práticas sobre as encomendas tecnológicas (disponível em: http://encomendas-tecnologicas-no-brasil-guia-geral-de-boas-praticas, acesso 24.04.2019), mencionam o Nível de Maturidade Tecnológica (Technology Readiness Level, abreviado por TRL) como uma ferramenta útil de definição e gestão de risco tecnológico. O TRL foi desenvolvido na década de 1970 pela NASA, nos Estados Unidos e desde então vem sendo utilizado por diferentes segmentos de mercado, por exemplo a indústria farmacêutica e o setor de TI, além do setor de defesa, como ocorre no Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE). Basicamente, o TRL introduz uma classificação de níveis de maturidade tecnológica, nos quais o gestor pode se apoiar para definir se uma determinada solução, produto, serviço ou processo demandado contém ou embute risco tecnológico para utilizar a encomenda tecnológica ou outra modalidade de licitação. Trata-se, assim, de um parâmetro para auxiliar a tomada de decisão do gestor público. Sua implementação requer adaptações para as particularidades de cada demanda em conformidade aos padrões tecnológicos existentes na região, no país e ou no mundo. Não há fórmula mágica para antever ou precisar resultados em atividades de P&D, que são permeadas por risco e incerteza, mas o TRL pode aferir alguma objetividade para a administração pública operacionalizar seu poder de compra em favor da CT&I.

[4] Sobre a relação entre a política de inovação e os mecanismos de implementação e controle das compras públicas para inovação, ver Foss, M. C. Compras públicas para inovação como instrumento de política orientada à demanda: experiências no Brasil, nos Estados Unidos e na União Europeia. Tese (doutorado). Orientadora: M.B.M.Bonacelli. Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Geociências. Campinas, SP : [s.n.], 2019, no prelo.


Faça o cadastro gratuito e leia até 10 matérias por mês. Faça uma assinatura e tenha acesso ilimitado agora

Cadastro Gratuito

Cadastre-se e leia 10 matérias/mês de graça e receba conteúdo especializado

Cadastro Gratuito