Blog

A empresa

Um compromisso do JOTA por diversidade racial e igualdade de oportunidades

A visão do Comitê de Diversidade para impulsionar mudanças por uma empresa que reflita a pluralidade brasileira

O JOTA não pode deixar de representar a diversidade da sociedade brasileira. O incômodo por isso não estar se cumprindo partiu de algumas pessoas e foi se avolumando, até ganhar corpo e fôlego em um Comitê de Diversidade, que busca agregar diferentes vozes em um espaço institucional.

O Comitê tem a visão de que o JOTA deve refletir a pluralidade da nossa sociedade e estimular a igualdade de oportunidades, criando um ambiente de trabalho inclusivo com diferentes vozes, corpos, realidades e vivências para fortalecer a democracia.

Entendemos que o trabalho feito dentro de casa – uma empresa em crescimento, com 7 anos recém completados – deve contribuir para fora das próprias paredes.

O grupo, formado por 11 integrantes com mandatos de um ano, define estratégias para ampliar diversidade e inclusão na empresa, que devem ser contínuas para promover o debate de ideias. Todos da empresa estão convidados a escrever sobre qualquer tema, pessoal ou não, envolvendo diversidade, se dirigindo a todos os colegas, ou usar canais anônimos para se expressar, por exemplo. Admitimos que isso é o mínimo, mas entendemos que manter esse canal tem sido um dos principais esforços de sensibilização. É necessário que o compromisso não se restrinja a um grupo.

Escolhemos este 20 de novembro para demonstrar nossa responsabilidade de pressionar a empresa a exercer seu papel social, porque, ainda que acreditemos na caminhada, não temos sido plenamente capazes de endereçar diversidade racial. Hoje, 19% dos colaboradores são autodeclarados pretos ou pardos, muito aquém da população brasileira e do que devemos alcançar, sobretudo entre as lideranças.

Para começar, na tentativa de contribuir com a trajetória futura, obtivemos o compromisso dos gestores para direcionar a totalidade das vagas iniciais exclusivamente para pessoas negras ou com deficiência. Para as posições de liderança, quando não são exclusivas, esse fator está ao lado de outros componentes de diversidade. 

Além de contratar, precisamos garantir espaços seguros e inclusivos, por isso o Comitê age como provocador para ações inclusivas. Ainda, admitimos que esse tipo de preocupação deve se refletir também em nosso conteúdo: um dos objetivos é que pessoas negras sejam ouvidas como especialistas e participem ativamente das discussões e eventos promovidos por nós. 

A jornada é longa e estamos no começo, mas acreditamos que talvez esse seja um processo que nunca se encerre e a evolução deva ser constante. Por isso, convidamos leitores e assinantes a opinar, criticar e trazer sugestões ao entenderem que o JOTA falhou nesse objetivo.