Carolina Santana

Doutoranda em Direito na Universidade de Brasília, mestre em Direito Constitucional e Teoria do Estado pela PUC-Rio, Pesquisadora Visitante no Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa. Foi indigenista Especializada da Funai por dez anos. Atua como assessora jurídica do Opi - Observatório dos Direitos Humanos dos Povos Indígenas Isolados e de Recente Contato. É Diretora Jurídica do Instituto AmazoniAlerta e representante no Brasil do Indigenous Peoples Rights International. Atualmente, compõe o Grupo de Trabalho “Direitos indígenas: acesso à justiça e singularidades processuais” do Conselho Nacional de Justiça.

O STF, a ADPF 709 e a sala de situação

Um diálogo ilusório

O STF, a ADPF 709 e a Sala de Situação
Crédito: Mayke Toscano/ GEMT (14/11/2013)

Últimas Notícias sobre

  1. Indígenas de várias etnias acompanham em frente ao STF a possível votação do chamado marco temporal indígena / Crédito: Fábio Rodrigues Pozzebom / Agência Brasil

    Direitos fundamentais

    Marco temporal não pacifica sequer a relação do Supremo com o agro

    Mitigar conflitos entre indígenas e agronegócio passa por colocar ponto final na contumaz rejeição do artigo 231 da CF

    Conrado Hübner Mendes, Carolina Santana

  2. Crédito: Reprodução Youtube/Survival International

    Direitos fundamentais

    Os povos indígenas e o acesso à Justiça: o caso Guyra Roká na pauta do Supremo

    A demanda na origem cinge-se no reconhecimento do direito originário dos Kaiowá à sua terra tradicional

    Luiz Eloy Terena, Rafael Modesto, Carolina Santana

  3. Em Brasília, povos Tupinambá e Pataxó marcharam contra o marco temporal e pela demarcação de terras indígenas / Crédito: Tiago Miotto/Fotos Públicas

    Povos indígenas

    O indigenismo de exceção: o Planalto e suas novas normativas

    A Constituição já consolidou o repúdio contra essa visão integracionista e colonizadora dos povos indígenas

    Luiz Henrique Eloy Amado, Miguel Gualano de Godoy, Carolina Santana

  4. 6ª Semana dos Povos Indígenas, em São Félix do Xingu, no sudeste do Pará. Antes de sair das aldeias em direção a São Félix, as tribos fazem festa, numa espécie de preparação para os dias vindouros longe de casa. FOTO: RODOLFO OLIVEIRA / AG. PARÁ

    Direito

    Direitos territoriais indígenas: a urgência de apelo à técnica

    ‘Marco temporal’ é só uma tese restritiva de direitos, não uma política pública aos programas que os indígenas já vem desenvolvendo

    Carolina Santana

  5. Indígenas de todo o país em marcha pela demarcação de terras e a garantia de seus direitos, na Esplanada dos Ministérios. Foto Marcelo Camargo/Agência Brasil

    Demarcação

    As contradições da tese do marco temporal elaborada pelo STF

    Os indígenas estão desprotegidos, o processo administrativo para a proteção de suas terras é complexo

    Carolina Santana