Advocacia

Cinema

Pedidos de recuperação judicial quase dobram neste ano

Entre janeiro e agosto, pedidos de recuperação cresceram de 70 para 115

Pixabay

Com a desaceleração da economia, o número de recuperações judiciais de empresas de todos os portes quase duplicou neste ano. Em janeiro, foram apresentadas cerca de 70 pedidos de recuperação judicial. Já em agosto foram feitos 115 requerimentos.

O estudo foi apresentado pela Associação Brasileira de Jurimetria (ABJ) com dados de janeiro de 2005 até agosto de 2015. Isso porque, a nova Lei de Recuperações (Lei 11.101) passou a valer em 2005.

Pelos dados é possível afirmar que quando o Produto Interno Bruto (PIB) se retrai, as recuperações judiciais aumentam. As alterações no PIB antecipam alterações no número de pedidos em três meses.

O primeiro pico que o gráfico mostra desde 2005 foi no ano de 2008 em que o PIB mensal atingiu a marca de 126,76. Na mesma época, foram 22 os pedidos de recuperações judiciais.

O estudo mostra o mesmo movimento em setembro de 2009 quando o PIB teve uma queda para 123 e imediatamente as recuperações aumentaram para 58 pedidos. Em fevereiro de 2014 o PIB atingiu quase 142 o que fez com que os pedidos de recuperação despencassem para 67 mensais.

Já em 2015 o PIB caiu para 133 e os pedidos de recuperação deram um salto e chegaram a 88.

Falência

O estudo mostra ainda que a crise econômica afetou principalmente as microempresas. Em 2015, 100 empresas foram a falência. As empresas de grande porte foram as que menos sofreram. No total, acumulando os pedidos das grandes, médias e microempresas, foram quase 200 empresas que decretaram a falência.

Após 2012, o gráfico mostra que aumentou um pouco a quantidade de falências decretadas de porte médio. As linhas das grandes e médias empresas que até 2012 estavam juntas, começaram a se descolar e desde então as empresas médias apresentaram números maiores de falência.


Cadastre-se e leia 10 matérias/mês de graça e receba conteúdo especializado

Cadastro Gratuito